Negócios

Mineradora canadense avalia projeto no Brasil que vale US$ 5,1 bilhões

Sigma Lithium disse que expansão em fases do projeto integrado em Minas Gerais poderia tornar a empresa a quarta maior produtora de lítio do mundo

Mundo precisa que os suprimentos de lítio cresçam cinco vezes até o final da década para atender à demanda projetada
Por Esteban Duarte
26 de Maio, 2022 | 05:06 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A mineradora canadense Sigma Lithium avaliou seu projeto no Brasil em US$ 5,1 bilhões, com potencial para fornecer lítio para baterias por 13 anos após a construção.

O projeto Grota do Cirilo deverá produzir 531.000 toneladas de lítio por ano, informou a empresa em comunicado nesta quinta-feira (26). A Sigma Lithium, com valor de mercado de 1,97 bilhão de dólares canadenses (US$ 1,5 bilhão), constrói o projeto em fases, com a mina inicial já em construção.

Em abril, um estudo de viabilidade previu uma vida operacional de oito anos para a primeira fase, avaliada em US$ 1,6 bilhão.

As ações da empresa, sediada em Vancouver, chegaram a saltar quase 15% para 22,47 dólares canadenses em Toronto, seu maior valor desde 5 de maio, e registram alta de mais de 70% no ano.

PUBLICIDADE

“Estamos dobrando a capacidade de produção deste projeto”, disse Ana Cabral-Gardner, co-CEO da empresa, acrescentando que o ganho será atingido com uma segunda linha de produção. Isso dará à empresa o potencial de “ser uma das operações de custo mais baixo do mundo” de lítio para baterias.

A Sigma Lithium disse que a expansão em fases de seu projeto integrado em Minas Gerais - sua única operação - poderia tornar a empresa a quarta maior produtora de lítio do mundo. Os preços do lítio dispararam à medida que os países buscam eletrificar suas economias e as montadoras se voltam cada vez mais para veículos elétricos.

O mundo precisa que os suprimentos de lítio cresçam cinco vezes até o final da década para atender à demanda projetada à medida que a revolução dos veículos elétricos ganha força, de acordo com a BloombergNEF.

Fundos administrados pela BlackRock estão entre os investidores da Sigma Lithium.

PUBLICIDADE

A mineradora negocia com o Société Générale aumentar o tamanho de seu financiamento assinado em 2020, disse Cabral-Gardner, ex-banqueira de investimentos do Goldman Sachs e Barclays.

“Foi uma melhoria significativa do nosso perfil de risco”, disse ela em entrevista de Brasília. “Portanto, podemos aumentar adequadamente o tamanho do financiamento.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

O inverno chegou: unicórnios VTEX e Bitso fazem demissão em massa

PayPal demite funcionários em nova ação para reduzir custos