Internacional

China: Economia em baixa não mostra sinais de melhora em maio

Vendas de imóveis e carros sustentaram reduções e banco central do país cortou taxas de juros para hipotecas

Lockdowns e incertezas sobre política Covid Zero podem atrasar recuperação
Por Bloomberg News
26 de Maio, 2022 | 01:50 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A economia da China permaneceu profundamente em queda em maio, à medida que os lockdowns continuam a pesar sobre a atividade e a ameaça da variante ômicron piora o sentimento de incerteza.

Essa é a perspectiva com base no índice agregado da Bloomberg de oito indicadores iniciais para este mês. O indicador geral ficou abaixo da marca que separa a melhoria das condições de deterioração pelo segundo mês consecutivo.

  dfd

As áreas afetadas por medidas de controle de vírus caíram para 20,5% do PIB, abaixo dos 35,1% no mês passado, de acordo com estimativas da Nomura Holdings. Mas pode demorar mais até que a atividade econômica se recupere de interrupções abruptas causadas pelos lockdowns, e a incerteza da estratégia Covid Zero tornou as empresas relutantes em investir e os consumidores relutantes em gastar.

A confiança do pequeno empresário caiu novamente em maio para o segundo nível mais baixo desde o início da coleta de dados, de acordo com pesquisa do Standard Chartered com mais de 500 pequenas empresas. A fraqueza no indicador – a pior desde os primeiros meses da pandemia – reflete os efeitos persistentes dos lockdowns em larga escala, apesar do progresso recente em direção à reabertura. O sentimento geral ficou mais sombrio, disseram os economistas do banco, com um subíndice que mede as expectativas caindo abaixo de 50 pela primeira vez desde fevereiro de 2020.

PUBLICIDADE

“A demanda permaneceu fraca”, disseram os economistas Hunter Chan e Ding Shuang em um relatório, acrescentando que um subíndice que mede novos pedidos caiu ainda mais. Outros subíndices que medem estoques de matérias-primas e produtos acabados melhoraram.

Varejo, hospedagem e serviços de locação e comerciais – que exigem contato entre pessoas – “continuaram sendo o principal obstáculo”, disseram os economistas. Eles acrescentaram que as pequenas e médias empresas focadas em exportações “começaram a sentir a dor”, após sofrerem contrações contra o mês anterior.

Indicadores econômicos: ações onshore, confiança de pequenas empresas, estoques de aço e preços do cobredfd
Indicadores econômicos: exportações da Coreia do Sul, inflação nas fábricas, vendas de imóveis e vendas de carrosdfd

A demanda externa também foi atingida em maio, à medida que a economia global se ajusta às consequências da guerra na Ucrânia e os bloqueios da China pesam nas cadeias de suprimentos.

Enquanto as exportações sul-coreanas - um indicador importante para o comércio global - subiram mais rápido nos primeiros 20 dias de maio do que em abril, os números da média diária de remessas mostraram um aumento de apenas 7,6%, o menor ganho em dados preliminares desde o final de 2020. As exportações para a China continuaram fracas, subindo muito mais lentamente do que os embarques para o Japão ou Estados Unidos.

PUBLICIDADE

As quedas nas vendas de imóveis e carros continuaram, embora em ritmo mais lento do que no mês passado. Isso apesar do governo relaxar as regras e cortar impostos para a compra de automóveis.

Para combater a crise imobiliária, o Banco Popular da China este mês cortou a taxa de juros para novas hipotecas, bancos baixaram sua taxa básica para financiamento imobiliário e o Conselho de Estado pediu a governos locais que apoiem a demanda razoável por habitação.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Oferta da Eletrobras já atrai demanda de R$ 13 bilhões, segundo fontes

Pedidos de seguro-desemprego nos EUA caem mais do que o previsto

PUBLICIDADE