Internacional

As razões para se preocupar continuam crescendo, segundo executivos em Davos

O risco de recessão global se tornou um tema repetido nas reuniões do fórum, seguido do pico de inflação e da emergência alimentar

Imagen del logo del Foro Económico Mundial
Por Philip Aldrick e Natalia Drozdiak
26 de Maio, 2022 | 01:28 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Guerra na Ucrânia, inflação desenfreada e agora uma crescente crise alimentar global. Se os participantes do Fórum Econômico Mundial deste ano chegaram a Davos preocupados, eles saíram com poucos motivos para não ficarem ainda mais preocupados.

À medida que os convidados da primeira conferência presencial do fórum em dois anos se preparam para voltar para casa, eles parecem cada vez mais preocupados com as consequências econômicas da invasão da Rússia à Ucrânia, e diante dos sinais de que o conflito durará mais do que o imaginado anteriormente.

Enquanto políticos, executivos e investidores declararam abertamente apoio à Ucrânia, aqueles com dinheiro para ganhar e acionistas esperavam e assumiram que um acordo acabaria sendo fechado com o presidente russo, Vladimir Putin. Mas se alguém quiser que a Ucrânia ceda território como parte de uma negociação, isso certamente não está nos planos de Kiev.

O risco de uma recessão global - tema repetido nas reuniões - foi apenas uma das razões para querer um cessar-fogo enquanto a guerra entra em seu quarto mês. Outra questão é o pico de inflação, que está sugando dinheiro dos bolsos dos trabalhadores e deixando cada vez menos capital disponível para gastar. Agora há a crescente emergência alimentar que muitos não conseguiram prever, exacerbando um desastre humanitário em um mundo que ainda está superando a pandemia de coronavírus.

PUBLICIDADE

Ryan Peterson, executivo-chefe da Flexport, uma empresa de software de logística comercial, disse que um acordo para abrir os portos da Ucrânia é necessário para evitar a “fome em massa” no mundo, já que grãos e fertilizantes atualmente não podem ser enviados através da zona de guerra que é o Mar Negro.

“A solução simples é que alguém tem que lidar com Putin, e esse alguém provavelmente é o presidente dos EUA, Joe Biden”, disse. “A questão é sobre como transportar a comida de lá.”

Em meio à condenação do bloqueio dos portos do Mar Negro, a Rússia disse na quarta-feira (25) que abriria corredores para permitir a passagem de insumos. Mas os embarques podem não começar tão cedo por conta das preocupações da Ucrânia com segurança.

Enquanto o fim da guerra garantiria uma recuperação no crescimento global ao conter a destruição da confiança e do comércio, o sentimento de desânimo para os líderes globais é que eles têm pouca ou nenhuma influência no momento.

PUBLICIDADE

Tanto a guerra quanto as crises alimentares e energéticas resultantes da guerra são temas constantes para os líderes políticos resolverem. Neste ano, menos pessoas viajaram para a conferência. Isso porque festejar em uma estação de esqui com banqueiros e executivos milionários pode não ser a imagem ideal durante uma crise de custo de vida que está aprofundando as divisões entre os que têm e os que não têm.

John Chipman, diretor-geral do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, disse que os políticos estão dando pouca atenção à comunidade empresarial.

“Eles são tratados como títulos de alto risco pelos políticos em termos da qualidade de sua influência”, disse.

Emergência Global

Embora a crise alimentar tenha emergido como um dos temas dominantes do fórum, o evento acabou pegando líderes políticos e empresariais de surpresa. Em Davos, onde o WEF afirma estar “comprometido em melhorar o estado do mundo”, isso ficou evidente pelo fato de que apenas um painel foi dedicado à emergência internacional em formação.

A Rússia e a Ucrânia fornecem um quarto do trigo do mundo, e Belarus, que também sofreu sanções, é o segundo maior exportador de fertilizantes à base de potássio. A safra da Ucrânia está presa em silos no Mar Negro, as minas terrestres tornaram partes do país incultiváveis e, em uma tentativa de segurança alimentar, vários países impuseram restrições à exportação de produtos alimentícios.

La crisis alimentaria global podría empeorar a medida que los países restringen las exportacionesdfd

Beata Javorcik, economista-chefe do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento, descreveu a situação como uma “tempestade perfeita” e alertou para uma pior escassez de alimentos do que o visto entre 2008 e 2011, quando as secas e a recessão global elevaram os preços dos alimentos e levaram a tumultos em 14 países, desencadeando a Primavera Árabe.

PUBLICIDADE

“Esta guerra tem o potencial de causar instabilidade política em todo o mundo”, disse ela. “Por que ninguém viu isso chegando? Porque as pessoas não esperavam que a guerra durasse tanto. Qual é a solução possível? A questão é: como seria um acordo de paz? Só agora as pessoas estão fazendo essa pergunta.”

Em meio às ameaças e à fadiga política, há sinais de que a política pode estar se fragmentando. O presidente francês Emmanuel Macron falou sobre um acordo de paz que evite uma “humilhação” para Putin. A Itália apresentou um plano de paz de quatro pontos às Nações Unidas. Mas os EUA continuam resolutos, com o suporte à guerra ainda recebendo um apoio público esmagador.

“A palavra cessar-fogo está na boca de todos. O problema é que agora estamos entrando em uma parte longa e difícil da própria guerra”, disse Lawrence Freedman, professor de estudos de guerra no King’s College London. “Minha preocupação é que os americanos percam o interesse. Em algum momento, Putin poderia oferecer um cessar-fogo, e os ouvidos das pessoas se levantariam – mas isso pode ser uma armadilha para os ucranianos”.

Em Davos, a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, foi aplaudida por um discurso que pedia o fim das conversas sobre apaziguamento.

PUBLICIDADE

“Este não é o momento de falar sobre livrar a Rússia”, disse ela na reunião.

Em meio à melancolia do momento, alguns disseram que há benefícios em simplesmente se reunirem no fórum.

“O risco de uma crise alimentar entrou na agenda”, disse Anne Richards, executiva-chefe da Fidelity International. “Você definitivamente viu algumas dessas conversas progredirem. Ainda não estamos fora de perigo, mas acho que fizemos um progresso real no que precisa ser feito para garantir que os alimentos e a cadeia alimentar não sejam comprometidos em tempos de guerra.”

PUBLICIDADE