PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Airbnb encerra operação na China para focar em viagens para outros mercados da Ásia

Empresa lançou suas operações na China em 2016, e a pandemia aumentou as dificuldades e as complexidades de operar no país

Empresa citou outras dificuldades que enfrentou ao fazer negócios na China, incluindo ser forçado a responder a solicitações de agências governamentais para compartilhar informações sobre usuários de sua plataforma
Por Michael Tobin
23 de Maio, 2022 | 08:29 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Airbnb (ABNB) está encerrando suas operações na China, optando por se concentrar no turismo que sai do país, à medida que a potência asiática continua sua abordagem agressiva para conter o avanço da covid-19.

PUBLICIDADE

A empresa com sede em São Francisco deixará de oferecer casas e experiências de aluguel no país neste verão, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. Mas ainda manterá uma presença na China com um escritório em Pequim, pois a empresa espera que o turismo de saída do país melhore quando as restrições afrouxarem. O Airbnb lançou suas operações na China em 2016, e a pandemia aumentou as dificuldades e complexidades de operar no país, disse a pessoa.

Como os aluguéis na China representam apenas 1% da receita do Airbnb, a empresa vê uma oportunidade maior no turismo de saída da China – em particular, viagens na região da Ásia-Pacífico.

PUBLICIDADE

“A China é principalmente um negócio ‘de saída’”, disse o CEO do Airbnb, Brian Chesky, na teleconferência de resultados do primeiro trimestre da empresa no início deste mês. “As pessoas vão para a China, mas principalmente viajam para a China e vão para outras comunidades, especialmente na Ásia.”

Os principais mercados do Airbnb são América do Norte e Europa, Oriente Médio e Áfricadfd

Em um evento em Nova York no início de maio, Chesky disse que espera que a região da Ásia se recupere em 2023.

A China adotou uma abordagem de zero covid para conter o vírus, com o governo colocando cidades inteiras em lockdown por semanas a fio. Vários economistas cortaram suas previsões para o crescimento econômico da China nos últimos dias, à medida que as restrições do governo continuam, dificultando o crescimento.

Os dados da semana passada mostraram que a produção industrial da China e os gastos do consumidor em abril caíram para os piores níveis desde o início da pandemia, enquanto a taxa de desemprego subiu para 6,1% e o desemprego juvenil atingiu um recorde.

A abordagem de tolerância zero gerou críticas de empresas, alimentou a frustração do público e colocou a ambiciosa meta de crescimento anual de cerca de 5,5% de Pequim ainda mais fora de alcance.

PUBLICIDADE

Durante os primeiros dias da pandemia no início de 2020, o Airbnb suspendeu os check-ins em seus anúncios em Pequim para cumprir os regulamentos locais. Em um documento regulatório em fevereiro, a empresa disse que continuaria incorrendo em “despesas significativas” para operar na China e pode não conseguir lucratividade no país.

“Esses fatores, combinados com o sentimento da força de trabalho na China e a política da China em relação ao investimento estrangeiro direto, podem afetar particularmente nossas operações na China”, segundo o relatório.

O Airbnb citou outras dificuldades que enfrentou ao fazer negócios na China, incluindo ser forçado a responder a solicitações de agências governamentais para compartilhar informações sobre usuários de sua plataforma. A empresa também disse que “qualquer deterioração prolongada nas relações bilaterais EUA-China ou escalada do risco geopolítico na China pode afetar negativamente” seus negócios.

A CNBC informou a notícia mais cedo.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE

Após perda de US$ 5 trilhões, emergentes sinalizam recuperação

BlackRock fecha dois ETFs com ativos russos não negociáveis