Economia dos EUA começa a mostrar sinais de estresse

O peso da maior taxa de inflação em décadas e juros em alta traz risco crescente de uma desaceleração

Bloomberg Línea
Por Richard Miller
20 de Maio, 2022 | 12:11 PM

Bloomberg — O falecido ganhador do Prêmio Nobel de economia, Paul Samuelson, uma vez brincou que Wall Street havia previsto nove das últimas cinco recessões. Desta vez, o mercado de ação pode estar certo.

A economia dos EUA começa a mostrar sinais de estresse sob o peso da maior taxa de inflação em décadas e juros em alta, com risco crescente de uma desaceleração.

Os investidores tomam nota. As ações caíram esta semana após balanços fracos de varejistas como Walmart e Target alimentarem ainda mais os medos crescentes. E essa tendência pode significar problemas para o presidente americano Joe Biden, cujos Partido Democrata precisa defender sua tênue maioria no Congresso na eleição de meio de mandato em novembro.

Espremidos pelos preços mais altos da gasolina e dos alimentos, os lares americanos assumem um volume recorde de dívidas. Atingidas por juros de financiamento imobiliário mais altos, as construtoras ficam mais pessimistas. As pequenas empresas também lutam com custos crescentes e dificuldades na contratação ou retenção de funcionários.

PUBLICIDADE

“Eu não acho que você possa ter um pouso suave completamente benigno da economia neste momento”, disse Ethan Harris, chefe de pesquisa econômica global do Bank of America. “Ou teremos uma economia fraca, ou uma recessão.”

Economistas de Wall Street cortam suas previsões de crescimento em resposta a um aperto nas condições financeiras engendrado pelo Federal Reserve. Os últimos seis meses viram uma queda nos preços das ações, taxas de juros mais altas e um dólar mais forte.

A maioria dos economistas aposta que a economia tem impulso suficiente – e demanda reprimida por automóveis, moradia e viagens, graças às economias acumuladas na pandemia – para levá-la até o final deste ano sem tropeçar. É no próximo ano e além, onde eles veem o maior perigo. E mesmo assim, o consenso é de uma desaceleração e não de uma contração.

PUBLICIDADE

Em nota de 18 de maio, o economista-chefe do JPMorgan (Michael Feroli, disse que vê o crescimento diminuindo de 2,4% no segundo semestre deste ano para 1% no segundo semestre de 2023, à medida que os aumentos do Fed esfriam a demanda, como deveriam. Os economistas do Goldman Sachs (GS) liderados por Jan Hatzius também rebaixaram suas perspectivas na semana passada.

Mas um número crescente de analistas alerta que algo pior pode estar reservado.

Mark Zandi da Moody’s Analytics estima uma probabilidade de um terço de que a economia sofrerá uma desaceleração a partir dos próximos 12 meses “com desconfortáveis chances quase iguais de uma recessão nos próximos 24 meses”.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também