PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

David Solomon, CEO do Goldman Sachs, vê risco de recessão e inflação ‘punitiva’

Presidente do banco citou uma chance de recessão de pelo menos 30% de isso acontecer nos próximos 12 a 24 meses

David Solomon, CEO do Goldman Sachs, vê risco de recessão e inflação ‘punitiva’
Por Sonali Basak
18 de Maio, 2022 | 11:22 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O CEO do Goldman Sachs (GS), David Solomon, disse que clientes se preparam para a desaceleração do crescimento e um declínio nos preços dos ativos porque a inflação “extremamente punitiva” cria um peso sobre a economia.

“Há uma chance de recessão”, disse ele em entrevista por telefone. Embora ele tenha acrescentado que não está muito preocupado com esse risco, Solomon citou uma chance de pelo menos 30% de isso acontecer nos próximos 12 a 24 meses, segundo cálculos dos economistas do banco, liderados por Jan Hatzius. Ele observa atentamente se os spreads de crédito começam a se ampliar mais substancialmente.

Os comentários de Solomon vêm meses depois de seu vice, John Waldron, dizer a um grande cliente de investimentos que o Federal Reserve não estava agindo com rapidez suficiente para controlar a inflação.

Esta semana, o ex-CEO do Goldman, Lloyd Blankfein, expressou desconforto semelhante sobre os preços crescentes.

PUBLICIDADE

“Temos que nos livrar da inflação”, disse Solomon. “A inflação é extremamente punitiva, principalmente para quem vive semana a semana, de salário em salário. É um grande, grande peso sobre essa parte da sociedade. Eu acho que é muito, muito importante que tenhamos isso sob controle.”

Os clientes do gigante de Wall Street reconhecem que as condições econômicas estão apertando, em um processo que ainda é bastante ordenado, disse ele. Embora os preços das ações em queda sejam previsíveis, se o tumulto se espalhar para spreads de crédito, seria “preocupante”.

“Estamos vendo um aperto nas condições monetárias”, disse ele. “O que está acontecendo com os preços dos ativos, já que estamos entrando em um ambiente com política monetária muito mais restritiva, não é surpreendente.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Investidores que apostam na queda das ações adotam nova estratégia