Internacional

Turquia promete ser um problema na expansão nórdica da Otan

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que não permitirá que a Suécia e a Finlândia se juntem à Otan

No centro da questão está o profundo ressentimento de Erdogan contra os aliados da Otan pelo que ele vê como sua recusa em levar a sério as preocupações de Ancara sobre os militantes curdos que operam dentro da Turquia
Por Selcan Hacaoglu
17 de Maio, 2022 | 08:37 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que não permitirá que a Suécia e a Finlândia se juntem à Otan por causa de suas posições em relação a militantes curdos, prejudicando os planos de fortalecer a aliança militar ocidental após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Em uma coletiva de imprensa em Ancara na segunda-feira (16), Erdogan jogou água fria nas expectativas de que a oposição turca ao plano de ampliação poderia ser facilmente resolvida. As observações foram sua indicação mais clara de que ele pretende bloquear a adesão dos dois países, ou pelo menos extrair concessões para isso, uma vez que anunciaram suas intenções de ingressar no fim de semana.

“Esses dois países carecem de uma postura clara contra o terrorismo” e “a Suécia é um ninho de organizações terroristas”, disse Erdogan. Ele também disse que a Turquia não permitiria que países que imponham “sanções” à Turquia se juntem à Otan, uma aparente referência às restrições à venda de armas impostas por vários países europeus.

No centro da questão está o profundo ressentimento de Erdogan contra os aliados da Otan pelo que ele vê como sua recusa em levar a sério as preocupações de Ancara sobre os militantes curdos que operam dentro da Turquia e através de suas fronteiras na Síria e no Iraque. A Turquia quer que sua percepção da ameaça seja reconhecida por todos os membros da Otan e diz que as prioridades de risco devem ser harmonizadas em toda a aliança.

PUBLICIDADE

O ministro das Relações Exteriores de Luxemburgo, Jean Asselborn, disse na terça-feira (17) que Erdogan está usando a situação como uma manobra de negociação para tentar extrair concessões, inclusive nos esforços do país para comprar caças F-35 dos EUA.

“Essa mentalidade está presente na Turquia e também em seu chefe, em Erdogan, sabemos disso”, disse Asselborn à rádio alemã Deutschlandfunk. “Acho que ele está apenas aumentando o preço, mas no final do dia estou convencido de que a Turquia não pode frear isso.”

O Pentágono expulsou a Turquia do programa para comprar – e ajudar a construir – o F-35 da Lockheed Martin em julho de 2019, depois que o governo de Erdogan comprou o sistema de mísseis S-400 de fabricação russa.

Em setembro, a Turquia enviou um pedido formal aos EUA para comprar 40 novas aeronaves F-16 Block 70 e quase 80 kits da Lockheed Martin para modernizar seus caças existentes. O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, planeja se reunir com o secretário de Estado Antony Blinken na quarta-feira e discutir a questão, com qualquer acordo potencialmente no valor de US$ 6 bilhões.

PUBLICIDADE

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que espera resolver os problemas de última hora do plano de ampliação. Mas parece improvável que isso aconteça imediatamente, com Erdogan dizendo na segunda-feira que as autoridades da Suécia e da Finlândia que planejam visitar Ancara para conversas não deveriam se incomodar em vir.

Guerra da Síria

Grande parte da disputa se resume a como os países aliados diferenciam entre dois grupos curdos vinculados contra os quais a Turquia está lutando. Enquanto a Turquia, os EUA e a União Europeia estão alinhados ao considerar o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, ou PKK, uma organização terrorista dentro da Turquia, os EUA e a Europa armaram a afiliada síria do grupo, o YPG. A Turquia considera o YPG e o PKK como filiais do mesmo grupo.

O apoio ocidental aos combatentes curdos na Síria acelerou depois que o Estado Islâmico capturou vastas áreas da Síria e do Iraque a partir de 2014. Os EUA e alguns governos europeus canalizaram apoio, incluindo armas, para o YPG para ajudar a reverter os ganhos jihadistas.

A Turquia, alarmada com a perspectiva de um exército protocurdo bem armado que poderia ajudar as aspirações curdas separatistas, enviou seu exército para a Síria para afastar o grupo de sua fronteira. Muitos países da UE, incluindo Suécia e Finlândia, responderam com restrições à venda de armas para a Turquia.

“Pedimos a esses países, juntamente com os membros da Otan, que parem de apoiar esses terroristas e acabem com a prática de restringir as exportações de armas para a Turquia, uma vez que é contra o espírito da aliança”, disse Cavusoglu em Berlim no domingo em uma reuniã. da aliança.

Mais cedo na segunda-feira, a agência de notícias estatal da Turquia Anadolu apresentou um relato detalhado das queixas específicas da Turquia sobre o suposto apoio da Suécia e da Finlândia a militantes curdos.

PUBLICIDADE

Informou que armas antitanque AT-4 de fabricação sueca foram usadas pelo YPG em ataques a forças turcas na Síria, sem alegar que a Suécia forneceu as munições que estão nos arsenais de vários militares ao redor do mundo. Também destacou supostos contatos entre altos funcionários suecos e curdos.

Voltando-se para a Finlândia, a Anadolu citou o que disse ser a oposição de Helsinque às operações militares transfronteiriças turcas contra militantes curdos e uma decisão de 2019 de não aprovar novas licenças de exportação de defesa para a Turquia, ano em que os ministros das Relações Exteriores da UE se comprometeram a restringir as vendas de armas ao país.

Um alto funcionário turco confirmou que o relatório da Anadolu reflete as preocupações de Ancara.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Finlândia reiterou sua surpresa com a tardia intervenção turca no pedido de seu país.

PUBLICIDADE

Falando no parlamento em Helsinque, Pekka Haavisto disse que Cavusoglu o informou em 5 de maio que a adesão da Finlândia à Otan seria um “processo muito direto na Turquia”, e que o presidente Sauli Niinisto havia recebido uma mensagem semelhante por Erdogan.

“Desde então, surgiram essas questões adicionais relacionadas ao PKK”, disse Haavisto. “Temos uma resposta clara. Não estamos negociando, respondemos: o PKK é proibido na Finlândia, porque também está na lista de organizações terroristas da UE.”

--Com a colaboração de Kati Pohjanpalo, Niclas Rolander, Firat Kozok e Iain Rogers

Leia também

Musk diz que Twitter deve provar número de bots para seguir com acordo

PUBLICIDADE