Mercados

Investidores estão com dinheiro em caixa no maior nível desde o 11 de Setembro

Resultados são uma leitura sombria para as ações globais, que já sofreram a mais longa série de perdas semanais desde a crise financeira

No relatório do BofA, o estrategista Michael Hartnett disse que os investidores acreditam que as ações estão propensas a uma recuperação iminente do mercado de baixa, mas as mínimas ainda não foram alcançadas
Por Sagarika Jaisinghani e Michael Msika
17 de Maio, 2022 | 09:48 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os investidores estão acumulando dinheiro à medida que as perspectivas para o crescimento global despencam para o nível mais baixo de todos os tempos e as preocupações com a estagflação aumentam, de acordo com uma pesquisa com gestores de fundos do Bank of America (BAC).

Os níveis de caixa entre os investidores atingiram o nível mais alto desde setembro de 2001, mostrou o relatório, com o BofA descrevendo os resultados como “extremamente baixistas”. A pesquisa deste mês com investidores com US$ 872 bilhões sob gestão também mostrou que bancos centrais agressivos são vistos como o maior risco, seguido por uma recessão global, enquanto os temores de estagflação aumentaram para o maior desde 2008.

Os resultados são uma leitura sombria para as ações globais, que já sofreram a mais longa série de perdas semanais desde a crise financeira global, à medida que os bancos centrais fecham as torneiras monetárias em um momento de inflação teimosamente alta. Embora as ações tenham visto uma pequena recuperação desde sexta-feira (13), à medida que as avaliações se tornam mais atraentes, estrategistas como Michael Wilson, do Morgan Stanley (MS), dizem que mais perdas estão por vir.

Nível de caixa sobe para o patamar mais alto desde o 11 de Setembrodfd

No relatório do BofA, o estrategista Michael Hartnett disse que os investidores acreditam que as ações estão propensas a uma recuperação iminente do mercado de baixa, mas as mínimas ainda não foram alcançadas. Com mais aumentos de juros esperados do Federal Reserve, o mercado ainda não está em “capitulação total”, escreveu Harnett na nota.

PUBLICIDADE

Os temores de uma recessão superaram os riscos da inflação e da guerra na Ucrânia, mostrou a pesquisa. A baixa foi extrema o suficiente para acionar o próprio sinal de compra do BofA, um indicador contrário para detectar pontos de entrada em ações. Estrategistas como Kate Moore da BlackRock (BLK) e Marko Kolanovic do JPMorgan (JPM) também sugeriram que as preocupações de uma recessão iminente são exageradas.

A pesquisa do BofA também mostrou que as ações de tecnologia estão no maior “short” desde 2006. As ações de tecnologia foram particularmente punidas na última liquidação em meio a preocupações com ganhos futuros à medida que as taxas aumentam. Nesta terça-feira (17), os futuros da Nasdaq subiam 2,1%, perto das 9h40, horário de Brasília, configurando uma recuperação das ações de tecnologia.

No geral, os investidores são muito comprados em dinheiro, commodities, produtos básicos de saúde e de consumo, e muito curtos em tecnologia, ações, Europa e mercados emergentes.

Medo do Fed: Bancos centrais mais agressivos são o maior risco, segundo os investidoresdfd

Outros resultados da pesquisa de maio do BofA:

PUBLICIDADE
  • Os investidores agora esperam aumentos de 7,9 nas taxas do Fed neste ciclo de aperto em comparação com 7,4 em abril
  • O posicionamento dos investidores tornou-se o mais defensivo desde maio de 2020, com uma sobreponderação líquida combinada de 43% em serviços públicos, produtos básicos, cuidados de saúde
  • O risco monetário é visto como o maior risco potencial para a estabilidade do mercado financeiro, superando o risco geopolítico
  • Negociações mais movimentadas: longas de petróleo/commodities (28%), títulos do Tesouro dos EUA vendidos (25%), ações de tecnologia longas (14%), Bitcoin comprado (8%), ESG longo (7%), ações vendidas da China (7%) e long cash (4%)

--Com a colaboração de Paul Jarvis

Leia também

David Vélez: ‘A maioria dos acionistas não vai vender suas ações com fim do lock-up’