PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Cidade Matarazzo quer levantar até US$ 100 mi com títulos verdes

O complexo Cidade Matarazzo, na Bela Vista, em São Paulo, já emitiu títulos via BM Empreendimentos, segundo dados da Bloomberg News

Cidade Matarazzo está sendo construído a partir das ruínas do hospital que leva o nome do imigrante italiano que foi considerado o homem mais rico do Brasil quando morreu em 1937
Por Esteban Duarte
16 de Maio, 2022 | 04:51 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os empreendedores do projeto de reurbanização Cidade Matarazzo em São Paulo planejam testar o mercado de títulos verdes em dólar em uma aparição relativamente rara para uma empresa imobiliária brasileira.

PUBLICIDADE

O projeto pode lançar uma oferta de títulos de US$ 70 milhões a US$ 100 milhões já no próximo mês para refinanciar uma dívida imobiliária comercial, disse Alexandre Allard, o maior investidor no projeto. O financiamento de títulos verdes tem sido um mecanismo de financiamento pouco utilizado por empresas da maior economia da América Latina, porém, houve algum crescimento nos últimos anos.

“Queremos testar o mercado. E queremos ver como podemos organizar esse fluxo de dinheiro de instituições internacionais”, disse Allard em entrevista de Nova York. A empresa está em processo de seleção de bancos para a transação, acrescentou.

PUBLICIDADE

Mês passado, o Itaú Unibanco levantou US$ 62,5 milhões com a venda de títulos verdes de 3 anos na única venda desse tipo de dívida de um emissor brasileiro até agora este ano, segundo dados compilados pela Bloomberg. Isso se compara a quase R$ 74 bilhões (US$ 15 bilhões) em títulos domésticos brasileiros precificados no mesmo período, segundo os dados.

O complexo Cidade Matarazzo, na Bela Vista, já emitiu títulos via BM Empreendimentos, segundo dados da Bloomberg News. Nos primeiros nove meses do ano passado, a empresa registrou lucro líquido de R$ 146,5 milhões, segundo a empresa.

Allard cofundou a Consodata em 1995, uma empresa francesa de marketing direto que foi vendida em 2002 para o conglomerado Seat Pagine Gialle, com sede em Turim, editora da versão italiana das Páginas Amarelas. Por mais de uma década, ele está construindo a Cidade Matarazzo a partir das ruínas do hospital que leva o nome do imigrante italiano que foi considerado o homem mais rico do Brasil quando morreu em 1937.

Allard já está de olho no próximo possível passo da Cidade Matarrazo nos mercados financeiros assim que o título verde for concluído.

“Depois desses títulos verdes vem a criptomoeda”, disse Allard. “A securitização usando blockchain é algo que terá um papel importante no setor verde.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Imóveis de luxo de São Paulo atraem jovens sócios de startups de tecnologia

Estagiários da Faria Lima ganham mais do que o profissional médio brasileiro