Viagens

10 dicas do investidor que visitou todos os países do mundo... e o espaço sideral

Jim Kitchen, de 57 anos, diz ser a única pessoa na Terra que conheceu todos os 193 países reconhecidos pela ONU, assim como o espaço

Vendedores preparam comida em barracas de rua perto da Khaosan Road, em Bangkok
Por Mark Ellwood
15 de Maio, 2022 | 07:07 am
Tempo de leitura: 7 minutos

Bloomberg — Jim Kitchen sabe como viajar.

O empresário e investidor de 57 anos diz que é a única pessoa na Terra a ter visitado todos os 193 países reconhecidos pela ONU, bem como o espaço - ele fez parte da tripulação civil do foguete da Blue Origin, a mesma viagem em que o comediante Pete Davidson estava originalmente programado para voar em março.

Além desse marco de aproximadamente 99 km, Kitchen estima ter percorrido de 11 milhões a 16 milhões de km no ar – pelo menos 4,8 milhões deles com a American Airlines. Sua operadora favorita, no entanto, é a Emirates. “São os painéis de madeira daquelas suítes de classe executiva, aquelas enormes telas de vídeo, as melhores camas”, diz ele, “Puxa, odeio admitir isso publicamente, mas ainda acho que tenho um de seus cobertores”.

Tendo trabalhado de várias maneiras na indústria de viagens durante a maior parte de sua carreira, incluindo a fundação (e venda) da empresa de turismo SBT, ele agora atua como investidor anjo e como professor com foco em empreendedorismo na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, onde vive com sua esposa Susan.

PUBLICIDADE

Aqui estão algumas das principais dicas de viagem dele:

1. Ao fazer as malas, deixe sua aliança em casa

Eu estava na Colômbia e o meu guia me perguntou qual era o próximo destino. Eu disse: “Ah, amanhã estou voando para a Venezuela”, ao que ele respondeu: “Com esses sapatos?” Eu tinha um par de tênis de corrida, nada extravagante. Ele disse que os ladrões muitas vezes avaliam os estrangeiros por seus sapatos e joias.

Então fomos ao mercado de pulgas local e compramos um velho par de sapatos de couro. Se você tem meios, viajar pelo mundo em desenvolvimento não é o momento para expressar isso. É a hora de se encaixar e ficar quieto. Também não uso minha aliança de casamento - não porque não quero que as pessoas saibam que sou casado, mas porque podem me sequestrar e ligar para minha esposa e dizer: “Estamos com o seu marido” e ela provavelmente pagaria o resgate.

2. Não coma em restaurantes que oferecem ótimas vistas

Nos meus mais de 30 anos de viagem, percebi que restaurantes que oferecem vistas espetaculares da cidade ou do pôr do sol geralmente têm comida horrível. Descobri isso notoriamente no Caribe, no Pier One nas Bahamas, por exemplo. Há um píer longo e lindo com um restaurante construído em cima, com uma vista espetacular, um milhão de dólares. Só que a comida era simplesmente horrível.

PUBLICIDADE

3. Mantenha e personalize um cartão de crédito extra

Eu sempre coloco um cartão de crédito no fundo de um par de tênis, para que, se o inferno acontecer - como ser roubado - e eles não levarem meus sapatos, provavelmente fico bem, porque no pelo menos terei um cartão de crédito para comprar uma passagem ou conseguir alguma coisa. E também é um cartão Visa que posso personalizar com uma fotografia. Eu tenho uma foto minha e da minha família nela, então é uma espécie de identificação visual também.

4. Em uma longa viagem, se importe onde você vai dormir

Algumas pessoas não se importam porque estão acostumados a dormir em poliéster. Eu não - vou ficar com coceira a noite toda e não vou dormir um segundo. Então, se eu for para uma viagem de três ou quatro semanas, levarei uma mala de 5 kg, e três deles podem ser um lençol de algodão velho. É um lençol que esteve na casa da cozinha, em algum momento em uma cama. Eu corto um tamanho king ao meio, coloco sobre mim e me enrolo no lençol. Eu não durmo muito quando viajo, então conseguir pegar no sono por cinco ou seis horas vale esse peso.

5. Há muito mais no turismo na África do que simplesmente fazer um safári

Uma das experiências mais loucas que já tive foi no Gabão ao conhecer um cara chamado Tatayo, que se parecia com Keith Richards e pratica essa religião conhecida como Bwiti. Eles comem a raiz de iboga e entram em transe por três ou quatro dias. E isso te atrapalha, mas limpa sua mente. Não participei, mas foi fascinante. Eu diria, tendo estado nos 54 países da África e sendo um esnobe de praia, que o Gabão tem as melhores praias lá, especialmente a parte península do país que se projeta para o Golfo da Guiné. Eu amo Pongara: é uma praia de areia branca e bege que você caminha até a água - azul cristalina. Eu fiquei no Pongara Lodge por ali mesmo. Animais como elefantes vivem ao lado desta praia, e eles brincam na praia. Era como se você tivesse que imaginar como seria o Éden.

6. Use fraldas numa viagem ao espaço

Odeio dizer isso, mas na verdade fui encorajado por um cara que foi um dos astronautas que voou em uma missão do Hubble, Mike Good, a usar um protetor de umidade adulto masculino – não quero chamar isso de fralda. Tivemos um atraso de 45 minutos [na decolagem], porque houve um problema de telemetria. Então você carrega na cápsula, você está lá, é estressante, você está esperando. Você não sabe se vai lançar ou não. E minha preocupação era: “Puxa, e se você tiver que ir no banheiro?” A última coisa que você quer fazer é se preocupar com o banheiro; é um voo curto o suficiente e você quer aproveitar cada segundo, certo? Mike disse: “Viva a experiência completa de astronauta, cara.” E então eu meio que abracei isso. A realidade é que eu não precisei usá-lo, mas eu só queria tirar esse risco da mesa.

7. Crie uma rotina em qualquer viagem longa

Cerca de 10 anos atrás, acho que estava em Nauru, desci do avião e comecei a entrar em pânico porque não conseguia encontrar meu telefone. Tive sorte, pois pedi para a segurança ir procurar, e 15 minutos depois, eles acharam. Então, depois de quase perder um telefone, comecei a empacotar roupas que me mantêm organizado. Trago dois shorts com quatro bolsos na frente.

No meu bolso inferior direito vai meu passaporte, e eu o mantenho lá o tempo todo. Depois de passar pela alfândega, paro e aproveito para colocar meu passaporte de volta naquele bolso. Porque lá? Porque é onde ele reside, sempre, e estar lá me mantém organizado. Se não estiver lá, algo parece errado. O mesmo com os outros bolsos: no meu bolso inferior esquerdo é onde fica meu telefone, e minha carteira fica no meu bolso superior esquerdo – tem um zíper, então eu sei que ninguém pode pegar. Deixo meu bolso superior direito livre para meu cartão de embarque e qualquer outra coisa.

PUBLICIDADE

8. Quer fazer sua própria viagem ao espaço? Faça exercícios

Eu não estava fisicamente preparado para as forças G que, indo de zero a 3.700 km/h. Era como se o meu rosto fosse derreter. Minimizei o significado dessas forças G. Eu acho que [mais] treinamento de força centrífuga seria útil, e eu fiz o meu na Nastar, perto de Filadélfia.

9. Qual o resort cinco estrelas para toda a família ao qual ele volta várias vezes

Four Seasons Peninsula Papagayo é um verdadeiro hotel de luxo e um dos mais bonitos da Costa Rica. Ele fica em uma colina com vista para o Oceano Pacífico, mas a linda vista tropical é apenas uma coisa que se destaca. Para mim, é um voo fácil de uma escala por Houston ou Charlotte. Passei uma quantidade excessiva de tempo lá com minha família - aulas de surf, tirolesa ou visita aos vulcões, rafting, caminhadas. Fomos voluntários na fronteira Costa Rica-Nicarágua, com algumas comunidades locais. Para mim, essa área parece que o Havaí era antes do Havaí ser realmente construído.

Não sou um ávido golfista, posso jogar cinco ou seis vezes por ano, mas se você estiver hospedado na propriedade, poderá jogar em um dos melhores campos de golfe da América Latina: o Ocean Course na Península Papagayo. A maioria dos buracos tem vistas deslumbrantes do oceano ou da baía, e podem facilmente distrair os jogadores que pretendem marcar uma pontuação baixa.

10. Kitchen não é fã de comida de rua em suas viagens

Eu quero não arriscar qualquer coisa, tanto quanto eu puder. Meu maior medo ao viajar é ficar doente, e por isso evito comer a maioria dos alimentos que estão à venda na rua. Sim, eu abri exceções a essa regra, mas geralmente escolho não procurar comida de rua, não importa o quanto eu esteja tentado a comê-la. Há quem aconselhe o contrário. Para eles, experimentar novas comidas, especialmente comidas de rua, faz parte da aventura. Presumo que, ao contrário de mim, eles nunca sofreram as consequências de comer cabrito ao curry de um vendedor ambulante na Jamaica. Você passou meses obtendo vistos para esses lugares, e você fez algo estúpido como comer cabra ao curry, e eu fiquei doente por uma semana. Eu quase morri.

PUBLICIDADE

Meu estilo é tentar ver e experimentar o mundo ao conversar com as pessoas. Eu não preciso necessariamente comer a comida como Anthony Bourdain fez e fazer da comida o centro da viagem. Meu centro é conversar com as pessoas e conhecer pessoas, aprender sobre o país através das pessoas mais comuns nos mercados ao redor do mundo.

Leia também

Siderúrgicas afundam com notícia de redução de tarifa sobre aço

PUBLICIDADE