PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Warren Buffett: 7 pontos relevantes da reunião anual da Berkshire Hathaway

O investidor do Nubank falou sobre compras recentes de ações, cultura da empresa e negócios fora dos Estados Unidos

A conferência anual da Berkshire Hathaway 2022.
Por Alejandro Ángeles e Katherine Chiglinsky
30 de Abril, 2022 | 07:25 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea e Bloomberg — Após um hiato de dois anos das reuniões anuais presenciais da Berkshire Hathaway, o conglomerado empresarial fundado e presidido por Warren Buffett, o lendário investidor de Omaha, em Nebraska, abordou questões centrais da filosofia no centro de um negócio que movimenta quase US$ 355 bilhões por ano nos Estados Unidos.

Esses foram os 7 pontos relevantes do que foi visto na sessão liderada por Buffett, o bilionário de 91 anos, dono de uma fortuna que o Bloomberg Billionaries Index estima em US$ 177 bilhões.

PUBLICIDADE
  1. A Berkshire foi uma compradora ativa de ações durante o primeiro trimestre de 2022 com um investimento de US$ 41 bilhões. A maior compra foi na Chevron (CVX), em que a empresa fundada por Buffett tem ativos de quase US$ 26 bilhões.
  2. A Berkshire não tem medo de investimentos fora dos EUA, mas não os incentiva porque é mais complicado fazer transações fora do país anfitrião. No entanto, Buffett revelou que a Berkshire comprou títulos no mercado alemão por mais de US$ 5 bilhões.
  3. Embora a Berkshire tenha sido muito ativa na compra de ações durante o primeiro trimestre do ano, seu ritmo desacelerou e agora está, nas palavras de Buffett, em um “modo letárgico”, do qual, no entanto, pode sair logo após três semana de compras.
  4. Buffett e sua equipe executiva discutiram a exposição do negócio de seguros da Berkshire a uma ameaça nuclear, bem como a ataques cibernéticos. Nesse sentido, Buffett disse que existe um “risco de todos os dias, um risco muito pequeno” e que o mundo joga uma moeda todos os dias para ver se “os que podem arruinar o mundo o farão”. Por sua vez, Charlie Munger, vice-presidente da empresa, disse que “não há como se proteger contra um ataque nuclear”. Além disso, Ajit Jain, vice-presidente de operações de seguros da Berkshire, disse estar preocupado com a incapacidade de calcular a exposição real a um evento nuclear. Ele revelou que na maioria de seus contratos eles tentam excluir o risco nuclear. Buffett encerrou a questão sugerindo que talvez as pessoas se importem demais. “Algum dia o sol vai queimar também, mas realmente não há espaço para dois países com grandes ICBMs (mísseis balísticos intercontinentais), e quem sabe o que mais… (…) Algumas pessoas fazem coisas terríveis, e você só tem que esperar que não estão em posição de agir sozinho.
  5. Crypto Beware: Charlie Munger alertou o público contra colocar todos os seus ativos para trabalhar no Bitcoin (BTC). “Quando você tem sua própria conta de aposentadoria e seu conselheiro amigável lhe diz que você deve colocar todo o seu dinheiro em bitcoin, apenas diga não”, disse Munger.
  6. O coração está na cultura. A Berkshire, fundada em 1839 pelo empresário quaker Oliver Chace em Massachusetts, e administrada por Buffett desde 1970, tem uma cultura corporativa bem azeitada. De acordo com o chamado ‘Oráculo de Omaha’, se ele morrer amanhã, “a diretoria entende que nossa cultura representa 99,5% de como conduzimos o negócio. Ele também reiterou que “a Berkshire é um negócio que existe para que as pessoas confiem nele”.
  7. O Fed se saiu bem, disse Buffett em claro reconhecimento ao trabalho de Jerome Powell como chefe do banco central dos EUA. Ele afirmou que se o Federal Reserve não tivesse feito o que fez em um período muito curto em março de 2020, as coisas poderiam ter parado.

Compra de ações da Activision Blizzard

Warren Buffett comprou mais ações da gigante dos games Activision Blizzard em uma aposta de arbitragem de fusão, enquanto a Microsoft busca seu acordo para comprar a fabricante de videogames no que seria uma das maiores fusões da história dos EUA.

A Berkshire Hathaway agora detém cerca de 9,5% das ações da empresa, disse Buffett no sábado em sua reunião anual em Omaha. Isso é superior à participação de aproximadamente 1,87% que a empresa detinha no final de 2021, de acordo com seu último arquivamento 13F, uma parcela adquirida por um dos adjuntos de investimentos de Buffett, Todd Combs ou Ted Weschler.

Os acionistas da Activision aprovaram a venda de US$ 69 bilhões da empresa para a Microsoft na quinta-feira, embora alguns em Wall Street apostem que os agentes antitruste do presidente Joe Biden possam brecar o acordo. Buffett está familiarizado com algumas jogadas de arbitragem de negócios, tendo anteriormente investido na Red Hat, que foi comprada pela International Business Machines Corp. Ele também apostou anteriormente na Monsanto, que foi comprada pela Bayer.

PUBLICIDADE

“São minhas compras, não o gerente que comprou há alguns meses”, disse Buffett sobre as últimas compras da Activision. “Se o negócio for bem-sucedido, ganhamos algum dinheiro e se o negócio não for concretizado, quem sabe o que acontece.”

Veja mais em bloomberg.com

Alejandro Ángeles

Alejandro Ángeles

Periodista con más de 20 años de experiencia en medios digitales e impresos. Ha trabajado para medios como Forbes México, New York Times, Yahoo, HuffPost, Milenio, El Universal y CNNMéxico, así como Grupo Expansión. Estudió Letras Inglesas en la UNAM.