Internacional

Rússia vai deixar a Estação Espacial Internacional por causa de sanções

O isolamento internacional da Rússia desde que o país invadiu a Ucrânia em fevereiro marcou o fim da exploração espacial conjunta

O chefe do programa espacial da Rússia disse que Moscou vai se retirar da Estação Espacial Internacional
Por Bloomberg News
30 de Abril, 2022 | 01:49 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O chefe do programa espacial da Rússia disse que Moscou vai se retirar da Estação Espacial Internacional, informou a mídia estatal, uma medida atribuída às sanções impostas pela invasão da Ucrânia.

“A decisão já foi tomada, não somos obrigados a falar sobre isso publicamente”, Tass e RIA Novosti relataram o diretor geral da Roscosmos, Dmitry Rogozin, em entrevista à TV estatal no sábado. “Só posso dizer isso – de acordo com nossas obrigações, informaremos nossos parceiros sobre o fim de nosso trabalho na ISS com um ano de antecedência.

No início deste mês, Rogozin ameaçou encerrar a missão da Rússia, a menos que os Estados Unidos, a União Europeia e o Canadá suspendessem as sanções contra empresas envolvidas na indústria espacial russa.

A estação espacial de pesquisa orbital permaneceu até a guerra como uma rara área de cooperação entre a Rússia e os EUA e seus aliados, apesar do agravamento constante das relações. Mas o isolamento internacional sem precedentes da Rússia desde que invadiu a Ucrânia em fevereiro marcou o fim desse símbolo de exploração espacial conjunta.

PUBLICIDADE

Três americanos e um astronauta italiano atracaram na estação espacial na quarta-feira, juntando-se a outros três americanos, três russos e um alemão que já estavam na ISS.

A NASA, que planeja operar a estação espacial até 2030, continua usando a espaçonave russa Soyuz para transportar astronautas de e para a ISS desde a aposentadoria dos ônibus espaciais em 2011. A agência espacial dos EUA agora está confiando mais em voos espaciais privados. A SpaceX de Elon Musk lançou os quatro astronautas da NASA e da Agência Espacial Europeia na quarta-feira.

Veja mais em bloomberg.com