PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Conversa entre Biden e AMLO foi sobre ajuda à Ucrânia e aumento de imigrantes

Reunião virtual na próxima quinta-feira (5) deve se concentrar nas causas profundas de uma onda de imigrantes na fronteira EUA-México

O México também é uma das 58 nações que se abstiveram de uma votação que suspendeu a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU no início deste mês.
Por Jordan Fabiano
29 de Abril, 2022 | 02:44 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente Joe Biden e o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, conhecido como AMLO, planejam discutir esforços para conter o fluxo de imigrantes para a fronteira sul dos Estados Unidos e punir a Rússia pela invasão da Ucrânia.

A reunião virtual de Biden e Lopez Obrador nesta quinta-feira (28) se concentrou nas causas profundas de uma onda de imigrantes na fronteira EUA-México, disseram altos funcionários do governo a repórteres antes da ligação.

Essa questão tornou-se particularmente espinhosa para Biden, já que seu governo planeja abandonar uma ordem de saúde pública da era Trump que permitia que imigrantes fossem rapidamente expulsos sem ouvir pedidos de asilo. Republicanos e alguns democratas criticaram as políticas de imigração de Biden, criando outra dor de cabeça para seu partido antes das eleições de novembro.

Autoridades dos EUA também esperam que o México se junte a uma coalizão de nações que impõe penalidades à Rússia, disse um alto funcionário do governo.

PUBLICIDADE

As críticas tímidas do líder mexicano à Rússia prejudicaram o que Biden chamou de uma onda quase unânime de apoio dos EUA e seus aliados a Kiev. Embora AMLO tenha condenado a invasão de Moscou, ele se recusou a aprovar sanções destinadas a enfraquecer o esforço de guerra do presidente Vladimir Putin.

O México também é uma das 58 nações que se abstiveram de uma votação que suspendeu a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU no início deste mês.

Esforços para agilizar as cadeias de suprimentos e cooperar em questões de energia também seriam tópicos de discussão, disseram os funcionários do governo. A sessão está sendo realizada em preparação para a Cúpula das Américas, que acontecerá em junho em Los Angeles.

A reunião ocorre cinco meses depois que os líderes falaram pela última vez, período durante o qual as tensões entre os EUA e o México aumentaram em questões de migração, energia e invasão da Ucrânia pela Rússia.

PUBLICIDADE

O número de migrantes detidos na fronteira EUA-México continuou a aumentar e espera-se ainda mais se o governo seguir adiante com seu plano de suspender a política de saúde pública da era Trump.

Um juiz federal esta semana emitiu uma ordem de restrição temporária bloqueando a expiração da norma por 14 dias e sinalizou sua intenção de impedir o governo de encerrar a política.

Os agentes de fronteira tiveram mais de 221.000 encontros com migrantes na fronteira sudoeste em março, o maior total mensal em cerca de duas décadas. Economias em dificuldades, desastres naturais e violência relacionada a gangues levaram mais centro-americanos a migrar para o norte nos últimos anos. Essas tendências se aceleraram à medida que a pandemia exacerbou as más condições em El Salvador, Guatemala e Honduras.

Os republicanos disseram que o objetivo de Biden de criar um sistema de imigração mais acolhedor nos EUA levou ao aumento dos encontros de imigrantes, uma afirmação que a Casa Branca nega. Democratas vulneráveis, no entanto, também alertaram que o plano do governo de encerrar o programa causará uma crise na fronteira.

O Departamento de Segurança Interna diz que tem um plano para manter até 18.000 migrantes na fronteira, enquanto usa penalidades aumentadas para impedir que cruzem a fronteira novamente. Mas um alto funcionário do governo disse que também precisaria da cooperação das autoridades mexicanas para lidar com um aumento nas travessias se os controles de fronteira fossem suspensos.

O governo de AMLO também está em desacordo com o governo Biden sobre seus esforços para aumentar o controle estatal do setor de energia elétrica do México. Autoridades dos EUA expressaram preocupação com essas medidas, que, segundo eles, podem prejudicar o crescimento da energia limpa e impedir o investimento estrangeiro.

PUBLICIDADE

Leia também

Vale a pena? Bancos cobram taxas de até 3% por fundo de uma única ação

Por que beber vinho brasileiro pode sair mais caro que rótulos importados