Mercados

PIB dos EUA tem queda inesperada, contrariando imagem sólida do consumidor

Economia americana caiu a uma taxa anualizada de 1,4%, abaixo de todas as estimativas; projeção mediana era de um aumento de 1%

A projeção mediana era de um aumento de 1%.
Por Olivia Rockeman
28 de Abril, 2022 | 10:57 am
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — A economia dos Estados Unidos encolheu inesperadamente no último trimestre pela primeira vez desde 2020, à medida que o déficit comercial aumentou, ampliando as dores de cabeça políticas para o presidente Joe Biden. Mas é improvável que influencie o Federal Reserve a aumentar as taxas de juros agressivamente para combater a inflação.

O Produto Interno Bruto (PIB) caiu a uma taxa anualizada de 1,4%, com o aumento das importações e o crescimento mais suave dos estoques mais do que compensando a sólida demanda de consumidores e empresas, mostrou a estimativa preliminar do Departamento de Comércio nesta quinta-feira (28). O dado ficou abaixo de todas as estimativas, exceto uma, em uma pesquisa da Bloomberg. A projeção mediana era de um aumento de 1%.

Juntos, as exportações líquidas e os estoques subtraíram cerca de 4 pontos percentuais do crescimento global. Os gastos do governo encolheram, pesando também no PIB.

Ainda assim, as vendas finais reais para compradores domésticos, uma medida da demanda subjacente que exclui os componentes de comércio e estoques, aumentaram 2,6% em termos anualizados, uma melhora em relação ao ritmo de 1,7% no quarto trimestre.

PUBLICIDADE
Economia dos EUA encolheu inesperadamente no primeiro trimestredfd

À primeira vista, o headline do PIB foi suave. Mas os detalhes subjacentes mostram uma demanda doméstica e investimentos empresariais ainda sólidos, corroborando comentários sobre a economia de executivos das empresas durante a série atual de teleconferências de resultados.

Em um cenário de inflação mais rápida, os números provavelmente manterão a política monetária do Federal Reserve voltada para um aumento de meio ponto nas taxas de juros na próxima semana. No entanto, as autoridades do Fed precisam equilibrar esse aperto de política com os riscos associados à construção de pressões sobre os preços.

Os rendimentos do Tesouro de dez anos reverteram um declínio anterior, enquanto os futuros de ações e o dólar mantiveram os ganhos.

“A economia não está entrando em recessão”, disse Ian Shepherdson, economista-chefe da Pantheon Macroeconomics, em nota. “O comércio líquido foi prejudicado por um aumento nas importações, especialmente de bens de consumo, à medida que atacadistas e varejistas buscaram reconstruir o estoque”.

PUBLICIDADE

“Isso não pode persistir por muito mais tempo, e as importações no devido tempo cairão completamente”, disse Shepherdson, que projetou um declínio de 2% no PIB.

Gasto dos consumidores

Os dados do Departamento de Comércio mostraram que o consumo pessoal, a maior parte da economia, cresceu 2,7% anualizado no primeiro trimestre, ante 2,5% no final de 2021. Os gastos com serviços adicionaram 1,86 ponto percentual ao PIB, enquanto os gastos com bens estagnaram, refletindo mudanças no comportamento do consumidor.

No início deste ano, os gastos aumentaram à medida que os casos de covid-19 diminuíram. À medida que o trimestre se arrastava, a alta inflação começou a afetar o poder de compra. No entanto, muitos executivos de empresas em teleconferências de lucros recentes elogiaram a durabilidade do consumidor americano.

Olhando para o futuro, a inflação rápida e o apoio fiscal cada vez menor apontam para um crescimento mais moderado dos gastos no restante do ano. Além disso, taxas de juros mais altas podem, em algum momento, levar as empresas a reduzir os orçamentos de despesas de capital.

Outros potenciais ventos contrários para a economia dos EUA incluem efeitos indiretos da guerra da Rússia na Ucrânia, como a deterioração das perspectivas de crescimento na Europa, escassez de matérias-primas e soluços persistentes na cadeia de suprimentos. Os fluxos comerciais também estão em risco devido às severas medidas de bloqueio relacionadas à pandemia do governo chinês que impediram a atividade em alguns dos portos do país.

Como os executivos veem

“Continuamos muito confiantes de que a força fundamental das tendências de demanda do consumidor permanecerá intacta por vários anos”, disse o CFO da Whirlpool Corp. James Peters, em teleconferência de resultados no dia 26 de abril.

PUBLICIDADE

“Na verdade, os gastos discricionários, especialmente de consumidores abastados e portadores de cartões de crédito, estão subindo de forma bastante saudável. Então, em geral, não há nenhum impacto evidente na inflação”, disse Vasant Prabhu, CFO da Visa Inc., em teleconferência de resultados em 26 de abril.

“O estoque de revendedores norte-americanos permanece em mínimos recordes com uma demanda saudável ainda mais restringida pelos persistentes ventos contrários da cadeia de suprimentos global, limitando qualquer melhoria nos níveis de estoque”, afirmou o CEO da Polaris Inc., Michael Speetzen, durante teleconferência de resultados, também em 26 de abril.

“Embora o ambiente atual permaneça difícil de prever, espero que, à medida que 2022 avance, comecemos a experimentar uma melhora nas interrupções na cadeia de suprimentos, recomposição geral de estoque em muitos mercados voltados para o público final e ainda, um consumidor saudável disposto a gastar, especialmente na América do Norte”, disse Michael McGarry, CEO da PPG Industries Inc., em teleconferência de resultados no dia 22 de abril.

No último trimestre, o investimento empresarial ajustado pela inflação aumentou 9,2% em termos anualizados, o mais firme em um ano e refletindo gastos mais fortes com equipamentos e propriedade intelectual, de acordo com o relatório do PIB.

PUBLICIDADE

O investimento residencial cresceu a um ritmo de 2,1%, uma vez que as construtoras começaram a avançar em projetos em atraso. Embora a demanda por moradias permaneça forte, um rápido aumento nas taxas de hipoteca e preços recordes de imóveis estão pesando na acessibilidade e podem começar a pesar na construção de moradias ainda este ano.

O relatório mostrou que o comércio subtraiu 3,2 pontos percentuais do PIB no primeiro trimestre, refletindo um aumento nas importações e uma queda nas exportações. A economia dos EUA se recuperou mais rapidamente do que a pandemia do que muitos países no exterior, aumentando a demanda por produtos fabricados no exterior.

A variação dos estoques subtraiu 0,84 ponto percentual do valor principal durante o período de janeiro a março. No quarto trimestre, eles somaram 5,3 pontos. Olhando para o futuro, as empresas continuarão a abastecer seus estoques em um esforço para reabastecer após a robusta demanda de mercadorias observada em 2021.

O índice de preços das despesas de consumo pessoal excluindo alimentos e energia, uma medida de inflação seguida de perto por funcionários do Fed, cresceu 5,2% anualizado no último trimestre. Os dados mensais do PCE para abril serão divulgados na sexta-feira.

PUBLICIDADE

Um relatório separado nesta quinta-feira mostrou que os pedidos de seguro-desemprego do estado caíram ligeiramente na semana passada, consistente com um mercado de trabalho extremamente apertado.

-- Com a colaboração de Reade Pickert, Kristy Scheuble e Ana Monteiro.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Brasil supera EUA em compra de máquinas agro, diz chefe da Deere