PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Petróleo cai após comentários sobre alta de juros do Fed e China freia rali

Postura mais agressiva do Federal Reserve, restrições na China por conta da covid e queda na produção na Líbia afetaram os preços

La refinería de petróleo PCK Schwedt, operada por PCK Raffinerie GmbH, filial de Rosneft Oil Co, en Schwedt, Alemania, el jueves 7 de abril de 2022. Fotógrafo: Krisztian Bocsi/Bloomberg
Por Alex Longley
19 de Abril, 2022 | 09:30 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O petróleo apagou ganhos anteriores à medida que os investidores pesavam os comentários mais agressivos de autoridades do Federal Reserve, dos Estados Unidos, e a promessa da China de reparar os danos econômicos causados por uma série de bloqueios por conta de uma nova onda de covid no país.

O petróleo tipo Brent foi negociado abaixo de US$ 112 o barril após quatro dias de ganhos. A alta do petróleo e de outras commodities está atiçando a inflação, e o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, disse na segunda-feira (18) que o banco central dos EUA não descarta o aumento de juros em 75 pontos-base. Os mercados também abriram em queda depois do feriado de Páscoa.

PUBLICIDADE
El barril de referencia cotizaba por debajo de los US$112dfd

O impacto da pandemia na economia da China é de curto prazo e as condições normais serão “rapidamente restauradas” após a contenção do atual surto, disse um porta-voz do planejamento econômico nesta terça-feira (19). A fala vem um dia depois de o Banco Central da China se mobilizar para ajudar indivíduos e pequenas empresas.

Enquanto isso, os problemas de produção na Líbia estão aumentando ainda mais o sentimento de alta para um mercado já complicado. A produção de petróleo do país caiu mais de meio milhão de barris por dia e existe o risco de novas perdas, já que uma onda de manifestações políticas envolve um membro da Opep. O campo de Sharara, no oeste do país, que pode bombear 300 mil barris por dia, foi fechado à medida que os protestos se aumentavam.

O petróleo avançou mais de 40% este ano, com a invasão da Ucrânia pela Rússia. A crise está redirecionando os fluxos globais de petróleo, com os EUA e o Reino Unido se movendo para proibir a importação de barris russos, enquanto alguns compradores asiáticos têm aceitado as cargas extras do país. Ao mesmo tempo em que a guerra se arrasta, há uma pressão crescente sobre a União Europeia para também reduzir suas importações.

PUBLICIDADE

“Basta dizer que esta última interrupção aumentará as preocupações sobre um cenário de oferta já limitado”, disse Stephen Brennock, analista da PVM Oil Associates, sobre as interrupções na Líbia. “Dito isso, a economia da China desacelerou após a reintrodução de restrições.”

Preços: O petróleo Brent para junho recuou 1,6%, a US $ 111,31 por barril nesta manhã em Londres.

O West Texas Intermediate (WTI) para maio caiu 1,8%, para US$ 106,26 o barril.

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, disse nesta terça-feira (19) que é necessário “mais do que nunca” interromper as importações de petróleo da Rússia, refletindo o debate dentro do bloco dependente de energia sobre os méritos de restringir os fluxos. A França esperava convencer os parceiros da UE “nas próximas semanas”, disse Le Maire à rádio Europe 1.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Conheça a gigante de pagamentos de US$ 3 bilhões criada por gamer

Salário de autônomo digital cresce 33% em meio à demanda aquecida

Últimas BrasilPetróleoFederal Reserve
PUBLICIDADE