PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

FMI faz maior corte na projeção de crescimento global desde o início da covid-19

Fundo citou risco crescente de que as expectativas de inflação se tornem desancoradas, levando a um aperto mais agressivo dos juros

La sede del Fondo Monetario Internacional (FMI) en Washington, D.C., Estados Unidos, el sábado 3 de abril de 2021. Fotógrafo: Samuel Corum/Bloomberg
Por Eric Martin
19 de Abril, 2022 | 10:45 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg News — O Fundo Monetário Internacional (FMI) fez nesta terça-feira (19) a maior redução na previsão de crescimento global desde os primeiros meses da pandemia de covid-19 e projetou uma inflação ainda mais rápida, depois que a Rússia invadiu a Ucrânia e a China renovou os lockdowns devido ao avanço do vírus.

A expansão global desacelerará para 3,6% em 2022, abaixo da previsão de 4,4% em janeiro antes da guerra, disse o FMI em uma atualização do World Economic Outlook divulgado nesta terça. Isso se compara ao crescimento de 6,1% em 2021. A instituição também reduziu sua projeção para 2023 de 3,8% para 3,6%.

PUBLICIDADE
O FMI vê um crescimento para 2022 e 2023 abaixo do estimado em janeiro.dfd

O fundo prevê a inflação para este ano em 5,7% nas economias desenvolvidas e 8,7% nos países emergentes e em desenvolvimento, significativamente maior do que há apenas alguns meses. Espera-se que o ritmo dos aumentos dos preços ao consumidor diminua para 2,5% e 6,5%, respectivamente, em cada grupo de nações em 2023. O FMI citou um risco crescente de que as expectativas de inflação se tornem desancoradas, levando a um aperto mais agressivo do banco central.

O fundo com sede em Washington espera que a economia da Ucrânia contraia 35% em 2022 como resultado direto da invasão. A produção da Rússia pode encolher 8,5% devido às sanções impostas pelos países ocidentais e à perda de confiança no país.

Mas o impacto da invasão pelo presidente Vladimir Putin se espalhará muito além dos dois países. A invasão está elevando os preços das commodities, elevando o custo dos alimentos e do combustível e alimentando distúrbios e protestos em todo o mundo, do Sri Lanka ao Peru.

PUBLICIDADE

Nos Estados Unidos e em algumas partes da Europa, a inflação está acelerando para o nível mais rápido em décadas, estimulando as expectativas de que os bancos centrais apertem a política monetária mais rapidamente do que o previsto anteriormente.

Pressão dos preçosdfd

A guerra está fazendo com que o fundo reduza as expectativas do Produto Interno Bruto (PIB) para 143 de suas economias membros – um grupo que responde por 86% da produção global, disse a diretora-gerente Kristalina Georgieva na semana passada.

“Em questão de algumas semanas, o mundo mais uma vez experimentou um grande choque transformador”, escreveu Pierre-Olivier Gourinchas, o novo economista-chefe do FMI, no prefácio do relatório. “Assim como uma recuperação durável do colapso econômico global induzido pela pandemia apareceu à vista, a guerra criou a perspectiva muito real de que grande parte dos ganhos recentes será apagada.”

A região do euro teve um rebaixamento particularmente acentuado, com um crescimento projetado de 2,8% para este ano, abaixo da estimativa anterior de 3,9%.

Radar do PIBdfd

Espera-se que os EUA sejam menos afetados pela guerra e cresçam 3,7% este ano, abaixo da projeção anterior de 4%, refletindo um aperto mais rápido da política monetária pelo Federal Reserve.

A economia da China deve crescer 4,4%, abaixo da estimativa anterior de 4,8%. Isso também se compara à meta oficial do governo de cerca de 5,5%.

PUBLICIDADE

De modo geral, o FMI prevê que as economias avançadas crescerão 3,3% e vê os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento expandindo 3,8%, abaixo das estimativas anteriores de 3,9% e 4,8%, respectivamente.

A previsão de base do FMI pressupõe que o conflito permaneça limitado à Ucrânia e que as sanções à Rússia e os planos europeus de se tornarem independentes da energia russa não sejam expandidos além dos anunciadas até o final de março.

Alta incerteza

Mas uma incerteza incomumente alta envolve as perspectivas, e os riscos negativos dominam. Eles incluem um possível agravamento da guerra, escalada de sanções à Rússia, uma desaceleração mais acentuada do que a prevista na China e um novo surto da pandemia caso novas variantes mais poderosas da covid-19 surjam.

PUBLICIDADE

O agravamento dos desequilíbrios de oferta e demanda pode levar a uma inflação persistentemente alta que força os bancos centrais a aumentarem as taxas mais rapidamente.

O fundo modela um cenário alternativo em que as sanções contra o petróleo e o gás russos se ampliam em meados deste ano, levando a preços mais altos das commodities, interrupções nas cadeias de suprimentos e condições financeiras mais apertadas para o resto do mundo. Nesse ambiente, o PIB da União Europeia estaria cerca de 3% abaixo do cenário de referência em 2023, com o PIB global 2% abaixo da linha de base e a atividade permanecendo cerca de 1% menor até 2027.

O FMI também sinalizou os riscos do aumento dos níveis de dívida nos mercados emergentes, principalmente porque as autoridades das economias avançadas apertam a política monetária.

Algumas economias exigirão a reestruturação da dívida soberana para liberar recursos para importantes gastos com saúde, social e desenvolvimento, com vários países que começaram, mas não conseguiram concluir o processo por meio do chamado Quadro Comum do Grupo dos 20.

PUBLICIDADE

O comércio global crescerá 5% em 2022, metade da taxa de 2021, retido pela atividade mais lenta em geral.

-- Com a colaboração de Zoe Schneeweiss

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Startup cripto Blockchain.com planeja IPO ainda este ano

Últimas BrasilFMIPIBGuerra na UcrâniaChinaCovidInflação
PUBLICIDADE