Tesla en Alemania
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg Opinion — Apesar de toda a histeria, desde o tweet de 2018 “considerando fechar o capital da Tesla”, pelo qual ele recebeu uma multa de US$ 20 milhões da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, até fumar durante um podcast e sua mais recente oferta de compra do Twitter por cerca de US$ 43 bilhões, Elon Musk é um ótimo gestor de negócios. Na verdade, o CEO da montadora mais valiosa do mundo é inigualável.

Entre as 10 maiores empresas de capital aberto, a Tesla (TSLA) de Musk é a número 1 em crescimento na última década, com um aumento de receita de mais de 260 vezes, para US$ 53,8 bilhões; Nº 1 nos últimos 12 meses com as vendas subindo 71%; Nº 1 em desempenho de ações em cinco e 10 anos, com suas ações valorizando 15 e 146 vezes, respectivamente, para os recentes US$ 1.000; e número 1 em emprego por mais do que quintuplicar sua força de trabalho desde 2016, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

Um mundo devastado pelas mudanças climáticas provocadas em parte pelo uso excessivo de combustíveis fósseis faz da fabricante de veículos elétricos, Tesla, a escolha cada vez mais frequente dos operadores de frota por causa dos custos mínimos de combustível e manutenção de seus carros com emissão zero. Essa é uma grande razão pela qual o aumento das vendas da Tesla, com sede em Austin, Texas, será o número 1 no próximo ano (30%) e novamente em 2024 (18%), de acordo com a estimativa média de 33 analistas consultados pela Bloomberg.

Entre as seis empresas com capitalização de mercado de pelo menos US$ 1 trilhão, nenhuma alcançou o marco tão rapidamente – e permaneceu lá – quanto a Tesla, que o fez 11 anos após sua oferta pública inicial. Demorou 38 anos para a Apple (AAPL), 33 anos para a Microsoft (MSFT), 16 anos para a Alphabet (GOOG) e 23 anos para a Amazon.com (AMZN). A Meta (FB), controladora do Facebook, atingiu US$ 1 trilhão nove anos após seu IPO, mas desde então caiu para US$ 600 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg [1]. O mercado de ações considera a Tesla quase quatro vezes mais valiosa que a segunda maior montadora, a Toyota (TM), e vale cerca de 57% das 10 maiores combinadas. Olhando por outro ângulo, a Tesla responde por 41% do valor total dos 184 fabricantes de veículos de capital aberto em todo o mundo.

PUBLICIDADE

A Tesla, ao contrário de seus pares, perseverou em meio aos transtornos causados primeiro pela pandemia e depois pela guerra na Ucrânia, passando anos focados em fortalecer sua cadeia de suprimentos. Essa é uma grande razão pela qual a Tesla conseguiu registrar entregas recordes no primeiro trimestre no início deste mês, apesar do que chamou de período “excepcionalmente difícil” marcado por interrupções recorrentes, especialmente o fechamento de sua fábrica em Xangai.

Seu sucesso na segurança de materiais ficou evidente quando a Tesla concordou em janeiro em comprar 75.000 toneladas métricas de concentrado de níquel, um ingrediente essencial em baterias de veículos elétricos, por meio de um projeto de Minnesota, criado pela Talon Metals menos de seis meses após um acordo semelhante de fornecimento de níquel com a mineradora BHP Group, com sede em Melbourne, na Austrália. A Tesla também tem um contrato de fornecimento de níquel para vários anos com a Vale (VALE3), com sede no Rio de Janeiro, como informou a Bloomberg News no mês passado.

PUBLICIDADE

“A estratégia de integração vertical da Tesla tem sido fundamental”, disse Cathie Wood, fundadora, CEO e diretora de investimentos da Ark Investment Management, em entrevista no início deste mês. Ao contrário de seus concorrentes, “a Tesla está no controle de seus carros” e “pode fazer ajustes e mudanças” em contraste com o resto da indústria automobilística cujas “especificações são concluídas, você sabe, três, quatro ou cinco anos antes. E nada muda depois disso.”

Wood, a pouco conhecida investidora da Tesla, quando lançou seus fundos em 2014 e previu um valuation de US$ 1 trilhão quando a maioria dos analistas tinha recomendações de venda que representavam uma fração minúscula de seu preço atual, disse que a tecnologia de baterias da empresa “está cerca de três anos à frente de qualquer outro fabricante de automóveis.” Essa não é a única razão pela qual Wood elevou sua projeção para a Tesla na semana passada para US$ 4.600 por ação em 2026. Os “mais de um milhão e meio de carros da Tesla rodando atualmente são coletores de dados para Elon Musk”, disse ela. “Nenhum outro fabricante de automóveis tem carros equipados para devolver essa inteligência por meio dos dados de condução do mundo real. Para competir com a Tesla, digamos, a um preço semelhante, eles terão que economizar em alcance ou desempenho e confiar em sua marca, caso contrário, perderão dinheiro se quiserem acompanhar a Tesla pelo mesmo preço.

PUBLICIDADE

Com certeza, a receita de US$ 53,8 bilhões da Tesla em 2021 representa 20% de todo o mercado de veículos elétricos e 80% das seis montadoras de veículos elétricos do mundo, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. “A Tesla está mantendo sua participação de mercado, mesmo que o mercado geral de VEs cresça muito rapidamente”, disse Colin McKerracher, chefe de análise de transporte da BloombergNEF.

Além de seus incomparáveis dados de condução do mundo real e tecnologia de bateria, a Tesla possui um chip de inteligência artificial “que ninguém mais tem”, disse Wood. “E comparamos essa barreira de entrada à barreira de entrada da Apple quando criou o chip para o smartphone.”

A quarta vantagem da Tesla é que “Elon descreve a Tesla como uma fabricante de fábricas”, com fábricas em Fremont, Califórnia, Austin, Xangai e Berlim. “A cada fábrica, a Tesla se torna mais eficiente e produtiva”, disse Wood. “É de baixo para cima, construindo essas fábricas altamente automatizadas, mais automatizadas do que qualquer outra no mundo.”

Muitas vezes, Elon Musk vai parar nas manchetes pelos motivos errados, oferecendo a seus detratores um fluxo constante de material para usar contra alguém que eles dizem ser pouco mais do que um egocêntrico, que ladra mas não morde no meio do carnaval corporativo. Contudo, o sucesso de Musk como um maximizador proeminente do valor para o acionista prova o contrário.

– Com a colaboração de Shin Pei.

[1] A Saudi Arabian Oil abriu o capital em US$ 1,7 trilhão em 2019, despencou para US$ 1,48 trilhão em março de 2020 antes de se recuperar e subir acima de seu valuation de IPO em meio a um aumento nos preços do petróleo desencadeado pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Matthew A. Winkler é cofundador da Bloomberg News (1990) e editor-chefe emérito; Colunista de Opinião da Bloomberg desde 2015; Cofundador do Programa de Diversidade de Jornalismo Empresarial da Bloomberg em 2017. Durante seus 25 anos como Editor-Chefe, a Bloomberg News foi três vezes finalista e vencedora do Prêmio Pulitzer de Reportagem Explicativa e recebeu inúmeros George Polk, Gerald Loeb, Overseas Prêmios Press Club e Society of Professional Journalists and Editors (Sabew).

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

– Esta coluna foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Ações do Twitter sobem com estratégia contra a oferta de aquisição de Elon Musk

Ano de Copa: CBF espera faturar mais R$ 1 bilhão em 2022