Cripto

Tokens do Manchester City e Saint-Germain decepcionam

Para muitos fãs, os tokens de clubes de futebol se mostraram uma decepção, com os preços perdendo força rapidamente em poucos dias

Analistas alertam que a demanda por tokens de fãs passa rapidamente da euforia à indiferença
Por Ignacio Olivera Doll
18 de Abril, 2022 | 12:50 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Assim que começaram os rumores de que o astro do futebol Lionel Messi se transferiria do Barcelona para o Paris Saint-Germain em agosto, Miguel Schweizer decidiu comprar o token do clube francês, com o palpite de que os preços subiriam. Subiram - mas ele não segurou os tokens por muito tempo.

Vendeu alguns dias depois, apostando que o rali seria de curta duração. Ele estava certo: os preços caíram 34% uma semana depois, e em quatro meses estavam 73% abaixo do valor de emissão.

“Eu nunca os manteria em meu portfólio de investimentos a longo prazo”, disse Schweizer, 29, CEO da Decrypto, uma bolsa e carteira de criptomoedas de Buenos Aires.

Para muitos fãs, os tokens de clubes de futebol se mostraram uma decepção, com os preços perdendo força rapidamente em poucos dias.

PUBLICIDADE

Já se passaram três anos desde que os tokens de torcedores começaram a ser negociados nas principais bolsas de criptomoedas, prometendo uma alternativa para os clubes ganharem financiamento e para os torcedores ficarem mais próximos de seus times favoritos. Em ambos os casos, ainda não corresponderam às expectativas.

Os clubes que emitiram tokens incluem Manchester City, Lazio, Porto, Santos, Barcelona, Milan e Trabzonspor. No Brasil, o Flamengo e o Palmeiras estão entre os clubes que fazem parte do grupo.

Alguns, como o Arsenal, arrecadaram até US$ 5,5 milhões em vendas de tokens de torcedores no primeiro dia, chamadas de “ofertas iniciais de tokens de torcedores”, embora a maioria tenha arrecadado cerca de US$ 2 milhões nessas vendas. Isso é uma fração das despesas desses clubes.

Os clubes podem gerar receita adicional com vendas futuras de tokens e taxas que cobram por volumes negociados na Binance e outras bolsas onde os tokens são negociados. A Binance é a bolsa mais ativa para esses tokens, segundo a Coingecko.

PUBLICIDADE

Analistas alertam que a demanda por tokens de fãs passa rapidamente da euforia à indiferença. A principal crítica que eles fazem é que eles têm poucos benefícios tangíveis para os fãs.

O token do Juventus, por exemplo, permite que os torcedores obtenham ingressos VIP com pontos de fidelidade que ganham como titulares de tokens, enquanto o token do Paris Saint-Germain foi usado para permitir que os titulares votassem no design do novo ônibus da equipe e slogan do clube.

“O problema com os tokens de fãs atuais é que os clubes não os promovem ativamente ou a utilidade que os tokens têm”, disse Oliver Bell, CEO e cofundador da XCAD Network, uma empresa que cria tokens para criadores de conteúdo. “As pessoas que estão comprando não são necessariamente torcedores dos clubes; os únicos compradores são entusiastas de criptomoedas.”

Enquanto isso, o mercado continua pequeno. O valor de mercado dos tokens de fãs de esportes chega a US$ 491 milhões e seu volume diário negociado é de US$ 241 milhões.

Os 10 maiores tokens de fãs têm um volume médio diário de US$ 13 milhões, o que representa apenas 28% do volume diário negociado em média para as 364 moedas listadas na Binance, de acordo com dados da CoinMarketCap e Coingecko.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Estagiários da Faria Lima ganham mais do que o profissional médio brasileiro

Bitcoin continua sendo uma frágil proteção contra a inflação?

Últimas BrasilLionel Messi