Juros em alta alteram cálculo de risco e retorno do Bitcoin

Volume diário agregado nas plataformas de cripto atingiu em média pouco mais de US$ 1 bilhão, um declínio de quase 60% em relação a maio

Logo de la criptomoneda bitcoin en Hong Kong, China. Fotógrafo: Paul Yeung/Bloomberg
Por Vildana Hajric
18 de Abril, 2022 | 09:03 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Uma coisa estranha aconteceu com o Bitcoin à medida que as taxas de juros começaram a subir: os volumes de negociação caíram. Agora, os observadores do mercado estão lidando com as implicações disso e o que um mundo de política monetária menos frouxa significa para os ativos digitais.

A média móvel de 30 dias do volume agregado de Bitcoin na Coinbase, Bitfinex, Kraken e Bitstamp está em seu nível mais baixo desde agosto de 2021, de acordo com dados compilados por Strahinja Savic da FRNT Financial.

No último mês, o volume diário agregado nessas plataformas atingiu em média pouco mais de US$ 1 bilhão, contra US$ 2,57 bilhões em maio de 2021, um declínio de quase 60%.

Isso aconteceu na medida em que o Federal Reserve e outros bancos centrais aceleraram sua luta contra a inflação, que tem permanecido alta por mais tempo do que muitos esperavam.

PUBLICIDADE

Com as taxas subindo e o custo do dinheiro não mais girando em torno de zero, os preços das criptomoedas diminuíram, levando os investidores a recalcularem seu interesse em investir nesse mercado de ponta.

Por um lado, a retirada de liquidez afeta os volumes em cripto - e em outros mercados - reduzindo os fundos disponíveis para investir, diz Noelle Acheson, analista da Genesis Global Trading.

Por outro lado, taxas mais altas aumentam o custo de oportunidade de investir em ativos sem rendimento, como o Bitcoin. E aqueles que compram a moeda usando alavancagem podem sentir um aperto extra: custos de empréstimos mais altos alteram a relação entre risco e retorno dessas negociações, o que significa que seu retorno potencial cai à medida que seus custos aumentam.

“Os volumes caíram por causa da incerteza”, disse ela. “Os investidores parecem estar preocupados que as coisas possam piorar antes de melhorar.”

PUBLICIDADE

Acheson observa que a porcentagem de Bitcoin que não é movimentada há mais de um ano está em alta, com cerca de 76% da moeda mantida em endereços considerados ilíquidos, ou seja, que exibem pouca movimentação.

Embora isso possa mostrar convicção na ideia de que o Bitcoin pode ser usado como uma reserva de riqueza em um ambiente de “intensificação da incerteza e agitação macroeconômicas”, por enquanto, “os movimentos de preços são determinados pelas preferências de risco dos macro investidores que estão preocupados com juros globais e perspectivas econômicas.”

Dados da Glassnode sugerem que o interesse no Bitcoin tem sido morno – medidas na cadeia indicam pouco crescimento na base de usuários da moeda e fluxos mínimos de nova demanda. Além disso, o Bitcoin está preso em uma faixa de negociação apertada, pois é amplamente dominado por HODLers, termo que se refere a investidores que têm a disposição de permanecer durante grandes crises de volatilidade.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE