Estilo de vida

Trabalho híbrido: 1 ou 2 dias no escritório é o ideal, diz estudo de Harvard

Resultados do artigo da Harvard Business School foram baseados em um experimento no verão de 2020

Grupo híbrido teve um desempenho melhor e obteve melhores avaliações dos gerentes
Por Matthew Boyle e Ryan Cavataro
17 de Abril, 2022 | 05:38 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Apenas um ou dois dias no escritório é a configuração ideal para o trabalho híbrido, de acordo com um novo estudo, pois oferece aos trabalhadores a flexibilidade que desejam sem o isolamento de ficarem totalmente remotos.

Os resultados do artigo da Harvard Business School foram baseados em um experimento no verão de 2020, onde 130 funcionários administrativos foram aleatoriamente designados para um de três grupos ao longo de nove semanas.

Alguns gastaram menos de 25% de seus dias de trabalho no escritório, alguns mais de 40% do tempo, enquanto um terceiro grupo “intermediário” ficou no meio, o equivalente a um ou dois dias por semana.

Esse último grupo entregou trabalho mais original que os outros grupos, e “a diferença foi significativa”, escreveram os autores.

PUBLICIDADE

“O trabalho híbrido intermediário é plausivelmente o ponto ideal, onde os trabalhadores desfrutam de flexibilidade e ainda não estão tão isolados em comparação com colegas que trabalham predominantemente em casa”, diz o artigo, que tem como co-autor o professor Prithwiraj Choudhury de Harvard. “O híbrido intermediário pode oferecer o melhor dos dois mundos.”

O estudo, uma raridade ao examinar resultados reais dos trabalhadores híbridos em vez de apenas suas preferências, chega quando empresas como Apple, Bank of America e Google da Alphabet empurram seus funcionários de volta ao escritório sem uma noção clara do equilíbrio ideal entre trabalho remoto e presencial.

Pesquisa em coautoria do professor da Universidade de Stanford Nick Bloom revelou que empregadores esperam que funcionários trabalhem quase um quarto dos dias de casa daqui para frente, mas existe uma “lacuna considerável” entre o que empregadores e funcionários desejam quando se trata dos dias necessários para estar no escritório.

Essa discrepância ficou clara em uma pesquisa divulgada na terça-feira com 200 executivos seniores, que disseram que os trabalhadores remotos são desfavorecidos e têm menos oportunidades em comparação com aqueles que trabalham principalmente no escritório.

PUBLICIDADE

A pesquisa, encomendada pela Vyopta, que ajuda empresas a gerenciarem seus sistemas de colaboração e comunicação no local de trabalho, também descobriu que os líderes simplesmente não confiam na capacidade da maioria dos funcionários de trabalhar remotamente.

Ainda assim, quase metade dos executivos pesquisados disseram que falharam em fornecer aos trabalhadores remotos as ferramentas para serem tão engajados quanto seus colegas presenciais.

O artigo de Harvard analisou mais de 30.000 e-mails enviados pelos funcionários administrativos, usando análise textual para indicador a originalidade de seu trabalho. Descobriu-se que o grupo híbrido teve um desempenho melhor e obteve melhores avaliações dos gerentes do que aqueles que estavam principalmente em casa ou principalmente no escritório.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Cidadania italiana: veja o que muda no processo de reconhecimento