Internacional

Lagarde, presidente do BCE: Guerra aumenta riscos à inflação na Zona do Euro

Formuladores de políticas renovaram a promessa de encerrar a compra de títulos

Lagarde disse que a data final exata para a compra de títulos não foi determinada, nem o cronograma para possíveis aumentos nos custos de empréstimos
Por Carolynn Look e Alexander Weber
14 de Abril, 2022 | 10:55 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A guerra na Ucrânia aumentou o risco de que a inflação recorde acelere ainda mais, afirmando a posição do Banco Central Europeu de que a saída do estímulo nos próximos meses é apropriada, disse a presidente Christine Lagarde.

Ao mesmo tempo em que sinaliza a ameaça que a invasão da Rússia representa para a recuperação da pandemia na Zona do Euro, ela disse a repórteres nesta quinta-feira (14) que as autoridades estão de olho nas expectativas para o caminho dos preços ao consumidor.

Os formuladores de políticas renovaram a promessa de encerrar a compra de títulos no terceiro trimestre, embora os mercados tenham reduzido as apostas no aperto monetário do BCE, agora precificando aumentos de um quarto de ponto em setembro e dezembro que levariam a taxa de depósito a zero.

“Os riscos de alta em torno das perspectivas de inflação também se intensificaram, especialmente no curto prazo”, disse Lagarde por videoconferência de sua casa enquanto se recupera da covid-19. “Estamos muito atentos às incertezas atuais e estamos monitorando de perto os dados recebidos em relação às implicações para as perspectivas de inflação de médio prazo.”

PUBLICIDADE

Embora o BCE ainda esteja bem atrás do Federal Reserve e do Banco da Inglaterra no aumento dos custos dos empréstimos, o cronograma mais rápido para retirar os estímulos divulgado em março destaca um foco crescente em domar as pressões dos preços. As autoridades veem aumentos “graduais” das taxas “algum tempo após” o término das compras de ativos.

Lagarde disse que a data final exata para a compra de títulos não foi determinada, nem o cronograma para possíveis aumentos nos custos de empréstimos. Esses podem seguir “entre uma semana a vários meses” após o fim da flexibilização quantitativa.

Com a inflação subindo quase quatro vezes a meta de 2% do BCE no mês passado, Lagarde pediu vigilância aos primeiros sinais de que as percepções da trajetória dos preços ao consumidor estão mudando para cima.

“A última coisa que queremos ver são as expectativas de inflação em risco de serem desancoradas”, disse ela. “Embora várias medidas de expectativas de inflação dos mercados financeiros e de pesquisas de especialistas estejam em torno de 2%, os sinais iniciais de revisões acima da meta nessas medidas justificam um monitoramento próximo.”

PUBLICIDADE

Leia também

O herdeiro do Itaú, o economista e o projeto na Amazônia que será visto da lua

PUBLICIDADE