Internacional

FMI deve aprovar conta para arrecadar fundos para a Ucrânia

Especialista diz que aprovação de fundo para um único país é prática incomum da organização

Conta permitiria que países interessados se juntem para canalizar empréstimos ou doações para ajudar a Ucrânia
Por Volodymyr Verbyany e Priscila Azevedo Rocha e Eric Martin
07 de Abril, 2022 | 08:56 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Fundo Monetário Internacional está prestes a estabelecer uma nova conta nos próximos dias que permitirá que países doadores apoiem a economia da Ucrânia enquanto o país enfrenta a invasão russa.

A criação da chamada “conta especial administrada” pode ser aprovada já na última sexta-feira (31), segundo pessoas a par do assunto, que pediram anonimato porque não estão autorizadas a falar publicamente.

A conta permitiria que países interessados se juntem para canalizar empréstimos ou doações para ajudar a Ucrânia a dar conta de necessidades orçamentárias e de balança de pagamentos decorrentes da guerra, ao mesmo tempo apoiando a estabilidade macroeconômica, disse o porta-voz do FMI Arroz Gerry no mês passado.

A assessoria de imprensa não quis comentar ou fornecer mais detalhes quando perguntada nesta quarta-feira (6).

PUBLICIDADE

Os países membros do FMI começarão a anunciar contribuições para a conta a partir da próxima semana, antes das reuniões de primavera do credor multilateral, que acontecem de 18 a 24 de abril, disse uma das pessoas.

O fundo com sede em Washington aprovou no início de março um empréstimo emergencial de US$ 1,4 bilhão e prevê que o PIB da Ucrânia sofrerá contração de 10% em 2022 se houver uma resolução imediata para a guerra. A instituição alertou que a recessão poderia chegar à faixa de 25% a 35%, com base em dados sobre contrações em outras nações devastadas por guerra.

O novo apoio internacional à Ucrânia ocorre em meio a uma série de outras medidas de financiamento que o país implementou para apoiar seu orçamento, ajudar nos pagamentos do país e arrecadar dinheiro para suas forças armadas e civis.

O ministério das finanças do país arrecadou cerca de US$ 1,2 bilhão por meio de venda de títulos de guerra desde que a invasão começou. Recebeu separadamente o apoio de instituições e governos, incluindo a União Europeia e o Banco Mundial.

PUBLICIDADE

As regras do FMI permitem que o fundo estabeleça contas administradas para fins como assistência financeira e técnica, com o fundo atuando como administrador.

No passado, a instituição criou contas semelhantes, como a Poverty Reduction and Growth Trust, que redireciona ativos de reserva do FMI, conhecidos como direitos de saque especiais, para conceder empréstimos sem juros a países de baixa renda.

Mas é incomum que esses recursos sejam direcionados para apenas um país, disse Martin Muhleisen, que atuou como chefe de gabinete da ex-diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Casa de apostas da Suécia mira Brasil antes da regulação de jogos de azar

Capitalizada pelo Softbank, Worc compra Hrestart

PUBLICIDADE