Negócios

Concremat cresce no vácuo das grandes empreiteiras após a Lava Jato

Após venda para chinesa CCCC, empresa aproveita oportunidade criada pela Laja Jato que reduziu presença internacional de Odebrecht, Andrade Gutierrez e outros

Crise provocada pela Lava Jato abriu janela para que empresas menores crescessem no mercado de construção na América Latina
07 de Abril, 2022 | 07:34 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A Lava Jato chacoalhou o mercado de construção civil na América Latina. As grandes construtoras brasileiras, responsáveis por importantes obras de infraestrutura na região, foram duramente impactadas pela investigação e se viram obrigadas a dar um passo atrás e ceder espaço para um novo grupo de concorrentes. Grupos tradicionais, mas de menor porte, tentam preencher o vácuo deixado pelas gigantes do setor.

A Odebrecht, por exemplo, rebatizada como Novonor, chegou a ter operações ou representações em 21 países da América Latina em 2017. Hoje, está presente em 11. A Andrade Gutierrez, que já marcou presença em 17 países da região, está atualmente em oito.

Uma das empresas que tem buscado ocupar mais espaço na região é a Concremat. Na prática, a empresa tem funcionado como a porta de entrada da gigante chinesa da construção China Communications Construction Company (CCCC) na América Latina desde 2017. Naquele ano, a CCCC adquiriu por R$ 350 milhões 80% da empresa brasileira que, até então, estava presente apenas na República Dominicana e tinha apenas 4% da sua receita gerada a partir de operações fora do Brasil.

Atualmente, estamos em cinco países da América Latinae 8% da receita é gerada a partir dos negócios internacionais. Acreditamos que nos próximos dois anos esse percentual chegará a 15%”, afirma Eduardo Viegas, vice-presidente de desenvolvimento de negócios e marketing da Concremat. O executivo faz parte da terceira geração da família fundadora da empresa, que ainda permanece na operação, mesmo tendo vendido o controle do grupo para a CCCC.

PUBLICIDADE

A companhia registrou um faturamento de R$ 795 milhões no ano passado, o que representou um incremento de 20% da receita sobre o ano anterior. Para este ano, a expectativa é que a receita se aproxime da casa de R$ 1 bilhão, em parte suportado pelo crescimento dos negócios na América Latina. Na região, a empresa presta serviços de engenharia nas obras da primeira planta de tratamento de esgoto do Paraguai, de rodovias na Bolívia e no Peru e de uma barragem na República Dominicana.

Segundo Viegas, tanto no Brasil quanto na América Latina, uma das principais apostas da empresa é no segmento de saneamento básico. Contudo, ele considera que marcos regulatórios importantes foram definidos nos últimos três anos nas áreas de óleo e gás, bem como logística. “As ferrovias e rodovias são muito importantes para a região. O setor foi muito esmagado nos últimos anos e o nível de investimento está muito aquém do que precisaria e muito longe do patamar de 12 anos atrás”, afirma. Mesmo com as idas e vindas na direção da Petrobras, a expectativa é que a empresa inicie um novo ciclo de investimentos, aproveitando o momento de alta dos preços do petróleo no mercado internacional.

Falta engenheiros no mercado

Apesar do cenário promissor e ambiente de investimento favorável, um ponto ainda pode atrasar uma retomada mais agressiva de aportes no setor de construção: engenheiros. Segundo Viegas, seja no Brasil ou na América Latina, falta mão de obra qualificada, especialmente para projetos que exigem uma especialização maior, como saneamento e barragens. “Muitos engenheiros mais velhos aproveitaram os últimos anos de baixa demanda para se aposentar. Os mais jovens acabaram migrando para outras profissões. E agora, que existe uma janela de oportunidade, a oferta de profissionais qualificados está muito menor”, afirma Viegas.

Leia também

Últimas BrasilinfraestruturaLava JatoConstruçãoOdebrechtAndrade Gutierrez
Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.