Ata do Fed: Redução do balanço patrimonial deve ser de US$ 95 bilhões ao mês

Limites podem ser implementados em mais de três meses ou um pouco mais, mostrou documento

Bloomberg Línea
Por Bloomberg News
06 de Abril, 2022 | 03:07 PM

Bloomberg — O Federal Reserve sinalizou que reduzirá suas enormes participações em títulos a um ritmo máximo de US$ 95 bilhões por mês, apertando ainda mais o crédito em toda a economia à medida que o banco central aumenta as taxas de juros para esfriar a inflação mais alta em quatro décadas.

A ata de sua reunião de março divulgada nesta quarta-feira também mostrou que “muitas” autoridades teriam preferido aumentar as taxas em meio ponto percentual – em vez do movimento de um quarto de ponto que fizeram – mas decidiram não fazê-lo à luz da invasão da Ucrânia pela Rússia.

O total máximo, composto por US$ 60 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 35 bilhões em títulos lastreados em hipotecas, se compara à taxa máxima de US$ 50 bilhões por mês na última vez que o Fed cortou seu balanço patrimonial de 2017 a 2019.

Veja mais: Mercados apostam em maior aperto do Fed em quase três décadas

PUBLICIDADE

“Os participantes geralmente concordaram que limites mensais de cerca de US$ 60 bilhões para títulos do Tesouro e cerca de US$ 35 bilhões para a agência MBS provavelmente seriam apropriados”, disse o Fed na ata da reunião do Comitê de 15 a 16 de março. “Os participantes também concordaram em geral que os limites poderiam ser implementados em um período de três meses ou um pouco mais, se as condições do mercado assim o justificarem”.

Reunião de maio

Espera-se que o Fomc aprove a redução do balanço patrimonial em sua próxima reunião de 3 a 4 de maio. O roteiro para reduzir o balanço patrimonial veio por meio de uma apresentação da equipe aos funcionários.

“Os participantes concordaram que fizeram progressos substanciais no plano e que o Comitê estava bem posicionado para iniciar o processo de redução do tamanho do balanço patrimonial logo após a conclusão da próxima reunião em maio”, mostrou a ata.

A medida para reduzir o balanço patrimonial estenderá um forte pivô no combate à inflação, já que o Fed estava comprando títulos no mês passado, enquanto tentava uma redução suave do apoio à pandemia.

O Fed elevou a taxa básica de juros dos EUA em um quarto de ponto percentual na reunião de março, subindo de quase zero onde estavam desde março de 2020, à medida que a pandemia se alastrava pelo mundo. Eles sinalizaram mais seis medidas desse tipo este ano para esfriar a inflação mais alta em quatro décadas.

Veja mais: BlackRock lidera movimento de investidores em ESG que pedem mais dados

A redução do tamanho de seu balanço patrimonial, que subiu para US$ 8,9 trilhões à medida que eles compravam títulos de forma agressiva para proteger a economia do covid-19, também ajudará a apertar as condições financeiras.

PUBLICIDADE

“Muitos participantes observaram que com a inflação bem acima do objetivo do comitê, riscos inflacionários para cima e a taxa Fed Funds bem abaixo das estimativas dos participantes de seu nível de longo prazo, seria preferível um aumento de 50 pontos base na meta para a taxa nesta reunião”, disse a ata. “No entanto, à luz da maior incerteza de curto prazo associada à invasão da Ucrânia pela Rússia, eles julgaram que um aumento de 25 pontos base seria apropriado nesta reunião.”

Os formuladores de políticas desde então disseram que poderiam avançar mais rapidamente na política, depois que a invasão russa da Ucrânia elevou os preços dos alimentos e da energia, com o presidente Jerome Powell declarando que um aumento de meio ponto estava na mesa, se necessário, para sua política de 3 a 4 de maio.

Os investidores têm precificado a possibilidade de mais de sete aumentos das taxas em 2022, à medida que as pressões da inflação se espalham, e veem uma chance de aproximadamente 66% de que o Fed aumente as taxas em meio ponto no próximo mês.

O índice de preços ao consumidor subiu 7,9% em fevereiro, o maior desde 1982. A meta de inflação de 2% do Fed é baseada em uma medida separada, o índice de preços de gastos com consumo pessoal, que subiu 6,4% nos 12 meses até fevereiro. Enquanto isso, os mercados de trabalho dos EUA permanecem fortes, com a taxa de desemprego caindo para 3,6% no mês passado, com os empregadores adicionando 431.000 empregos.

Leia também

Dólar volta a R$ 4,70 e Ibovespa recua à espera de ata do Fed e novas sanções

Bolsonaro é o maior beneficiado no impasse da terceira via, diz pesquisa