Preços do petróleo derretem com possível liberação de reservas dos EUA

Montante liberado seria muito maior do que a quantidade envolvida nas vendas recentes da reserva pelo governo americano

Quantia total liberada pode chegar a 180 milhões de barris, segundo pessoas a par do plano
Por Sharon Cho e Elizabeth Low
31 de Março, 2022 | 09:56 AM

Bloomberg — Os preços do barril de petróleo caíram mais de US$ 5 em poucos minutos após a notícia de que a Casa Branca estuda liberar cerca de 1 milhão de barris por dia da reserva estratégica dos EUA durante vários meses.

A quantia total liberada pode chegar a 180 milhões de barris, segundo pessoas a par do plano. O anúncio oficial pode sair ainda nesta quinta-feira. O montante seria muito maior do que a quantidade envolvida nas vendas recentes da reserva pelo governo americano. Países aliados podem se juntar ao esforço coordenado pela Agência Internacional de Energia.

Analistas comentam o impacto do plano a seguir:

Goldman Sachs (GS)

Uma possível liberação de volumes da reserva estratégia de petróleo ajudaria o mercado a se reequilibrar este ano, mas não vai resolver seu déficit estrutural, afirmou em relatório a equipe de analistas que inclui Damien Courvalin. Uma liberação reduziria a necessidade de destruição da demanda induzida pelo preço, mas não se trata de uma fonte persistente de abastecimento para os próximos anos.

PUBLICIDADE

Oanda

A liberação das reservas ajudaria a conter o preço do petróleo no curto prazo, mas dificilmente compensará as perdas relativas às exportações de petróleo pela Rússia, disse Jeffrey Halley, analista sênior de mercado da Oanda Asia Pacific. Mais adiante, isso significa que a reserva estratégica dos EUA diminuirá substancialmente enquanto a demanda sobe durante a temporada de viagens de férias de verão no país, o que abre espaço para alta da cotação do barril.

DBS Bank

No passado, anúncios de liberação de reservas tiveram pouco efeito tranquilizador no mercado, mas o tamanho dessa decisão atual pode proporcionar um impacto mais duradouro sobre os preços, disse Suvro Sarkar, analista de energia do DBS Bank em Singapura. O impacto de fato no mercado dependerá de como a liberação é realizada — seja por meio de vendas diretas ou substituição.

A reserva dos EUA hoje contém aproximadamente 570 milhões de barris, o menor nível desde 2002. Uma liberação de 180 milhões de barris sem reposição implicaria redução de mais de 30%. Embora a notícia possa levar à queda do preço no curto prazo, a demanda dos EUA pode aumentar adiante quando chegar o momento de reabastecer as reservas, disse ele.

PUBLICIDADE

SPI Asset Management

A liberação das reservas é um possível divisor de águas e compensa a perda do produto da Rússia que abastecia refinarias dos EUA, disse Stephen Innes, sócio-gestor da SPI Asset Management. Ainda não se sabe se o movimento será suficiente para conter a disparada dos preços ou mudar a percepção de que as quantias liberadas são um curativo temporário, acrescentou ele. Este aumento inesperado na oferta pode segurar a expectativa de alta do petróleo por algum tempo até que informações mais detalhadas estejam disponíveis, segundo Innes.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Mercados inclinam-se para o negativo por incerteza sobre guerra e danos econômicos

Tivit vai investir R$ 100 milhões para comprar startups na América Latina