Startups

Miami pode ser plataforma para lançar startups da América Latina, diz CEO

Felice Gorordo, CEO da eMerge Americas, diz que Miami está passando por um “renascimento tecnológico”

Miami
March 27, 2022 | 01:53 pm
Reading time: 3 min.

Felice Gorordo é CEO da eMerge Americas. Originalmente de Cuba, ele agora vive em Miami, onde diz que a cidade está passando por um “renascimento”.

Em entrevista à Bloomberg Línea, Gorordo disse que Miami teve um crescimento exponencial em termos de tecnologia e empreendimento. “A partir de 2019, começamos a ter esse efeito de curva J, dobrando os dólares investidos ano após ano.” Ele afirma que US$ 1 bilhão foi investido nas startups de Miami em 2019, US$ 2,2 bilhões em 2020 e US$ 4,3 bilhões em 2021. “E estamos apenas começando”, diz.

Questionado se estar em Miami facilita para os empreendedores da América Latina levantar capital, ele disse que a cidade pode fornecer uma “plataforma de lançamento” para empresários e investidores da América Latina que buscam acessar os mercados norte-americanos, bem como empreendedores e investidores dos Estados Unidos que desejam acessar os mercados da América Latina.

“Acreditamos que podemos ser uma plataforma de lançamento para que essas empresas possam acelerar, e escalar muito mais rápido. Em nossa natureza, somos muito acolhedores. Porque em nossa essência, somos uma cidade construída por imigrantes. A esmagadora maioria - quase 70 % - de nossos residentes são de outro lugar. Se eles próprios não são imigrantes, são filhos de imigrantes. E por isso, temos orgulho de receber todos de braços abertos.

PUBLICIDADE

A diversidade de idioma e cultura facilita o acesso dos empresários latino-americanos a certas redes de que precisam para ter sucesso, o que não é o caso do Vale do Silício, segundo ele.

“Não contra o Vale do Silício, mas lá tende a ser uma comunidade e ecossistema muito insular. Não tem os mesmos benefícios culturais e linguísticos que oferecemos. E às vezes eu diria que não é tão acolhedor para quem não é de lá . Essa é a nossa vantagem competitiva.”

Em 2019, o SoftBank fez uma grande aposta na América Latina com seu Latin America Fund. E escolheu a sede em Miami. “Não há dúvida de que os dois estão ligados na correlação de venture capital. Se você comparar a atividade de venture capital no sul da Flórida com a América Latina, houve momentos em que estávamos literalmente juntos. É primordial para qualquer empreendedor que queira acessar os mercados dos EUA que venha para Miami conferir por si próprio.”

Questionado se as empresas sediadas em Miami podem conseguir ingressos maiores do que as sediadas na América Latina, Gorordo disse que depende dos perfis de risco e da tese do fundo de capital de risco. “Não há dúvida de que há uma correlação entre as empresas que se mudam para cá serem capazes de arrecadar rodadas maiores e conseguir maiores tamanhos de ingressos, apenas porque existe um mundo totalmente novo de VCs que só investem em empresas sediadas nos EUA. Mas acho que os últimos dois anos meio que quebraram esse modelo de ter mais empresas que tradicionalmente não investiam em mercados fora dos EUA assumindo um papel ativo e liderando algumas rodadas.”

PUBLICIDADE

Alguns dos maiores fundos de capital de risco, como a16z e outros, não estão exigindo que seus empreendedores se realoquem para Miami, e Gorordo disse que não acha que isso seja uma exigência também, mas uma vantagem. “Não queremos drená-los da América Latina, mas queremos que eles possam acessar esses recursos e levá-los de volta aos seus países de origem.”

Segundo Gorordo, o crescimento tecnológico de Miami foi acelerado pela Covid-19, quando alguns dos principais empreendedores e investidores do mundo foram realocados para Miami. “Em parte porque estávamos abertos para negócios, em parte porque criamos um sistema tributário regulatório amigável, mas acho que também porque você pode trabalhar em Wall Street, mas viver no paraíso, que é Miami no inverno.”

Quando VCs em estágio inicial e fundos globais de private equity foram realocados para Miami nos últimos 18 meses, eles reuniram US$ 2 trilhões em AUM (ativos sob gestão), de acordo com Gorordo. “Isso foi transformador. O dinheiro segue o talento. No ano passado, Miami foi a que mais realocou talentos de tecnologia nos EUA, acima de centros de tecnologia estabelecidos como Austin ou Seattle.”

O CEO diz que só foi possível capitalizar esse momento por causa da fundação da última década construindo o ecossistema tecnológico de Miami, promovendo a colaboração entre as partes interessadas. Após dois anos parado devido à pandemia, o eMerge Americas sediará uma conferência global de tecnologia ancorando o centro de tecnologia de Miami de 18 a 19 de abril, reunindo o ecossistema de tecnologia e os líderes sob um mesmo teto.

Isabela  Fleischmann

Isabela Fleischmann BR

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups