Internacional

É o ‘momento do Nobel da paz’ da China se parar a guerra, diz funcionário da ONU

Autoridade mais importante das Nações Unidas em Pequim pediu ao país que interceda no conflito entre Rússia e Ucrânia

Xi y Putin
Por Bloomberg News
25 de Março, 2022 | 09:00 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente chinês, Xi Jinping, tem a oportunidade de fazer história ao pressionar por uma resolução para a guerra na Ucrânia, disse a autoridade mais importante das Nações Unidas na China, incentivando Pequim a ter um papel mais ativo no fim do conflito.

“Vejo a China como um país que pode desempenhar um papel importante na mediação da crise”, disse Siddharth Chatterjee, coordenador residente da ONU na China, à Bloomberg News. “A China tem capacidade, tem tamanho. Tem a sensibilidade. Tem a compreensão da complexidade da geopolítica.”

“Para mim, este é o momento do Prêmio Nobel da China”, acrescentou. “Um verdadeiro momento do Prêmio Nobel da Paz.”

Desde a invasão da Rússia, Pequim procurou se retratar como neutra: emitindo declarações apoiando a soberania da Ucrânia e expressando preocupação com as baixas civis, enquanto apoiava Vladimir Putin na ONU e culpava os EUA por provocar a guerra, incentivando a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte.

PUBLICIDADE

Chatterjee disse que era do “interesse da China” ver um fim imediato do conflito. “A Iniciativa do Cinturão e Rota da Seda e a Iniciativa de Desenvolvimento Global podem começar a vacilar”, disse ele, referindo-se aos dois principais projetos internacionais de investimento e infraestrutura de Xi. “Precisamos de paz e desenvolvimento para que todas essas importantes iniciativas que a China tem em andamento sejam bem-sucedidas”, acrescentou.

Embora a China tenha dito que está pressionando por uma solução diplomática, há poucos sinais de que Pequim está profundamente envolvida em facilitar qualquer conversa com a Ucrânia e a Rússia, um de seus principais parceiros diplomáticos. Xi ainda não conseguiu falar com o líder ucraniano Volodymyr Zelenskiy, ao contrário de outros árbitros em potencial, incluindo o turco Recep Tayyip Erdogan, o alemão Olaf Scholz e o israelense Naftali Bennett.

Oposição global

A China também dificultou os esforços da ONU para pressionar Moscou, abstendo-se de três ações na ONU condenando as ações de Moscou. O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse que as abstenções foram feitas para “dar uma chance à paz” e se opor ao uso de “sanções para resolver disputas”.

A China tentou usar a ONU como um veículo para combater a influência dos EUA, com Xi no ano passado dizendo à Assembleia Geral da ONU que “há apenas um sistema internacional” com “as Nações Unidas em seu núcleo”.

PUBLICIDADE

Esta semana, em um sinal de que Pequim estava calibrando seu relacionamento com Moscou, o enviado da China aos EUA disse que a amizade “sem limites” de Xi com Putin tinha um “resultado final” que incluía “os princípios da Carta das Nações Unidas, as reconhecidas normas básicas do direito internacional e das relações internacionais”.

O apoio da China à Rússia também está amplamente alinhado com seu próprio conflito com os EUA decorrente da guerra comercial. Chatterjee implorou às maiores economias do mundo que também melhorassem os laços, após um telefonema recente entre Xi e o presidente Joe Biden que não conseguiu avanços concretos.

“Este é talvez um momento ainda mais em que precisamos que a liderança da China dos Estados Unidos se reúna e veja como encontrar soluções para alguns desses problemas intratáveis”, disse ele. “Nenhum problema é impossível de superar.”

As regras de veto do Conselho de Segurança da ONU historicamente impediram o órgão global de ter sucesso na resolução de conflitos ou crises, de acordo com Stephen Roach, pesquisador sênior da Universidade de Yale.

“Mas a ONU ainda tem uma importante função de púlpito de intimidação”, disse ele. “Implorar que a China lidere é outro aspecto da pressão que pode e deve ser exercida sobre Pequim.”

Leia também

Datafolha: Lula 43%, Bolsonaro 26%, Moro 8%, Ciro 6% e Doria 2%

PUBLICIDADE