PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Wall Street ganha tempo com rejeição de indicada de Biden como reguladora

Sarah Bloom Raskin, esperança de democratas progressistas nas questões climáticas, não ganhou apoio suficiente no Senado

Nomeação de Sarah Bloom Raskin para ser vice-presidente de supervisão do Federal Reserve cai por terra. Reportagem de Mike McKee da Bloomberg
Por Ben Bain e Max Reyes
16 de Março, 2022 | 09:57 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Wall Street ganhou tempo em relação a uma supervisão mais dura após a escolhida do presidente americano Joe Biden para ser a principal reguladora do setor bancário nos EUA retirar sua nomeação.

Os democratas progressistas tinham depositado suas esperanças em Sarah Bloom Raskin - professora de direito da Duke University bem articulada em Washington que ocupou cargos de alto escalão no Departamento do Tesouro e no Federal Reserve - para ajudar a inaugurar uma era de supervisão muito mais dura sobre as maiores instituições financeiras do país.

Esses planos, assim como as expectativas de que o Fed desempenhe um papel maior no combate às mudanças climáticas, estão agora comprometidos depois que Raskin não conseguiu obter apoio suficiente no Senado.

Ela enfrentou forte oposição dos republicanos para ser vice-presidente de supervisão do Fed desde que foi nomeada em janeiro, apesar de ter obtido facilmente a confirmação para servir como diretora do Fed e depois vice-secretária do Tesouro no início de sua carreira.

PUBLICIDADE

O Senador Pat Toomey da Pensilvânia, o principal republicano no Comitê Bancário do Senado, liderou o esforço para derrubar a votação de sua candidatura, citando seus comentários anteriores sobre o combate ao aquecimento global e questionando seu trabalho para uma empresa de fintech do Colorado.

Sua saída significa que os outros quatro indicados de Biden para o Fed - incluindo a renomeação do presidente Jerome Powell - provavelmente passarão pelo comitê para uma votação no plenário do Senado.

As consequências de sua saída são uma nítida vitória para congressistas e banqueiros do Partido Republicano que desconfiavam de suas opiniões políticas.

Não ficou claro se o presidente pretende nomear outra pessoa nos próximos dias. Funcionários da Casa Branca não comentaram na noite de terça-feira.

PUBLICIDADE

Sem um candidato alternativo claro, o cargo pode permanecer vago até as eleições de meio de mandato em novembro, quando os republicanos podem reconquistar o Senado - um resultado que tornaria quase impossível confirmar um candidato progressista para a posição.

‘Oportunidade perdida’

“Fica claro que o posto de fiscalização ficará vago por um tempo”, Ian Katz, analista da Capital Alpha Partners, disse em nota aos clientes. “Foi uma oportunidade perdida para os democratas.”

Como o Fed é encarregado de monitorar Goldman Sachs, JPMorgan e outras grandes instituições financeiras, o cargo de vice-presidente de supervisão é visto como o regulador bancário mais poderoso em Washington.

Além de estabelecer regras em áreas obscuras que tocam direto nos resultados financeiros dos bancos, como a liquidez e níveis de capital, quem detém o cargo supervisiona os testes de estresse anuais que analisam o nível de segurança dos bancos e que são observados de perto.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Aluguel tem maior alta em fevereiro desde 2011; veja cidades mais caras