PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Yellen diz que medidas da China não diluirão sanções à Rússia

A chefe do Tesouro se recusou a comentar o que o governo Biden poderia fazer se visse sinais de Pequim ajudando Moscou a contornar as sanções

Yellen diz que medidas da China não diluirão sanções à Rússia
Por Christopher Condon
10 de Março, 2022 | 08:23 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que não vê sinais de que a Rússia esteja contornando as sanções dos EUA e europeias sobre a guerra na Ucrânia, aproveitando laços cada vez mais profundos com a China.

“Não vi evidências de que a China esteja fornecendo à Rússia qualquer solução significativa para nossas sanções”, disse Yellen em entrevista à CNBC na quinta-feira. “Os bancos chineses fazem muitos negócios com o Ocidente. Eles se preocupam muito com seu relacionamento com os EUA e os sistemas financeiros europeus, e eles parecem ser muito cautelosos em sua disposição de fazer negócios com a Rússia”.

PUBLICIDADE

A chefe do Tesouro se recusou a comentar o que o governo Biden poderia fazer se visse sinais de Pequim ajudando Moscou a contornar as sanções impostas pelos EUA e seus aliados. A secretária de Comércio, Gina Raimondo, no início desta semana, prometeu aplicar vigorosamente os controles de exportação da Rússia e disse que os EUA estariam de olho a empresas chinesas de semicondutores que poderiam tentar contornar as sanções.

“A China compra petróleo russo, mas acho que nossas sanções estão limitando a capacidade da Rússia de vender para a China e outros países”, disse Yellen na quinta-feira em entrevista ao Washington Post Live.

Ela também disse à CNBC que “possivelmente poderia haver algum alívio parcial para a Rússia através desse canal, mas não acho que algo aconteça através da China – ou pelo menos não estou vendo nenhuma evidência disso – que mitigaria significativamente o fardo esmagador do que fizemos.”

PUBLICIDADE

Limites Europeus

A China não aderiu à sanção da economia da Rússia pela invasão da Ucrânia por seu vizinho e, em vez disso, examinou o estreitamento de seus laços econômicos. Pequim está considerando comprar ou aumentar participações em empresas russas de energia e commodities, como a gigante do gás Gazprom PJSC e a produtora de alumínio United Co. Rusal International PJSC, disseram pessoas familiarizadas com o assunto no início desta semana.

Yellen disse no evento ao vivo do Washington Post que não esperava que os países europeus seguissem os EUA ao proibir as importações de combustíveis russos, citando a dependência da região em relação aos combustíveis fósseis russos.

“Reconhecemos que nem todos os países estão na mesma posição em termos de capacidade de cortar embarques de petróleo e gás da Rússia”, disse ela.

Yellen também reiterou que o governo Biden está preparado para novas medidas contra a Rússia em meio à invasão contínua.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE