Internacional

Alemanha diz que pode ficar sem o gás da Rússia

O país está gradualmente desativando seus reatores e usinas a carvão restantes, à medida que abandona a energia nuclear

Ministro da Economia, Robert Habeck, contou à rádio Deutschlandfunk nesta quarta-feira que “existe a possibilidade de a Alemanha obter gás suficiente e recursos suficientes além das importações de gás russas”
Por Elena Mazneva e Iain Rogers e Isis Almeida
23 de Fevereiro, 2022 | 06:48 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O ministro da Economia da Alemanha disse que o país poderia ficar sem o gás russo. Mas isso não será fácil.

A potência industrial da Europa atualmente depende da russa Gazprom para mais da metade de seu gás. E a demanda só crescerá à medida que o país elimina a eletricidade nuclear e a carvão. O fornecedor nº 2, a Noruega, já está bombeando em capacidade total, e a Alemanha não possui meios para importação de cargas liquefeitas.

“A Alemanha deu um tiro no próprio pé com fechamentos de usinas nucleares e carvão”, disse Tim Partridge, chefe de comércio de energia do DB Group Europe, nesta quarta-feira (23). Quando a produção renovável fica aquém e o gás está em falta, os preços sobem, como visto no ano passado, disse ele.

Veja mais: Preços de energia na Europa sobem com tensão crescente sobre a Ucrânia

PUBLICIDADE

O ministro da Economia, Robert Habeck, contou à rádio Deutschlandfunk nesta quarta-feira (23) que “existe a possibilidade de a Alemanha obter gás suficiente e recursos suficientes além das importações de gás russas”.

Ele falava depois de o chanceler Olaf Scholz efetivamente aprovar o congelamento do controverso gasoduto Nord Stream 2 da Rússia para a Alemanha em meio à dramática escalada de tensões sobre a Ucrânia.

Habeck alertou contra “excesso de especulação”, dizendo que os laços energéticos com a Rússia sobreviveram a crises anteriores. Ele também disse que a suspensão do processo de certificação do Nord Stream 2 não significa que o gasoduto esteja fora da mesa para sempre.

Veja mais: Alemanha suspende certificação do gasoduto Nord Stream 2 após avanço de Putin

PUBLICIDADE

A Alemanha está gradualmente desativando seus reatores e usinas a carvão restantes, à medida que abandona a energia nuclear e procura se afastar do combustível fóssil mais sujo. Aumentar o uso de gás pode ajudar a preencher essa lacuna.

No entanto, isso potencialmente entra em conflito com os esforços para reduzir a dependência da Rússia, e dos combustíveis fósseis em geral, e os planos para começar a importar gás natural liquefeito têm enfrentado vários obstáculos.

Trazer GNL “nunca será suficiente para substituir totalmente o gás russo”, disse Hans van Cleef, economista sênior de energia do banco ABN Amro NV. “Talvez eles substituam um pouco, com mais uso de usinas a carvão por mais tempo, mas isso obviamente entra em conflito com as metas climáticas.”

Veja mais em bloomberg.com