PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Gestoras reveem compromisso com clima e investimento em energia

Blackrock, Brookfield e M&G questionam valor real do desinvestimento de petróleo e gás

“Desinvestimento não reduz gases de efeito estufa”
Por Silla Brush e Loukia Gyftopoulou e Kevin Crowley
14 de Fevereiro, 2022 | 08:27 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Apelos para acabar com os investimentos em combustíveis fósseis parecem vir de quase todos os lugares: Harvard University, o Vaticano e grandes grupos filantrópicos.

PUBLICIDADE

Portanto, pode ser uma surpresa que alguns dos maiores gestores de dinheiro do mundo tenham adotado a linha exatamente oposta.

No momento em que o mundo financeiro está falando sobre questões ambientais, sociais e de governança, ou ESG, pesos pesados da indústria, como BlackRock (BLK), Brookfield Infrastructure Partners e M&G Investments estão questionando o valor real do desinvestimento de petróleo e gás.

PUBLICIDADE

O argumento deles? Que os acionistas estão melhor posicionados do que pessoas de fora para provocar mudanças internas e pressionar os poluidores corporativos a limpar e fazer a transição para o baixo carbono.

“Desinvestimento não reduz gases de efeito estufa”, disse Christopher Ailman, diretor de investimentos do sistema de pensão dos professores do Estado da Califórnia, que administrava quase US$ 330 bilhões no final do ano passado. “Quanto mais brigarmos, mais veremos uma rebelião do outro lado.”

Christopher AilmanFotógrafo: Patrick T. Fallon/Bloombergdfd

Tudo pode parecer um pouco conveniente. O S&P 500 Energy Index subiu 26% este ano até sexta-feira, de longe o melhor desempenho de qualquer setor, liderado pelo ganho de 48% da Occidental Petroleum. E com o barril de petróleo a US$ 100 no horizonte, pode haver ainda mais dinheiro a se ganhar com investimentos em combustíveis fósseis.

Os pedidos de desinvestimento ganharam volume no ano passado. Havia 1.485 instituições com US$ 39 trilhões em ativos comprometidos publicamente com alguma forma de venda de combustíveis fósseis em 2021, ante as 181 instituições com US$ 52 bilhões em 2014, segundo levantamento feito por uma coalizão de organizações ambientais e de defesa do consumidor.

O New York State Common Retirement Fund foi um dos últimos a se comprometer, anunciando na quarta-feira que desinvestiria US$ 238 milhões de 21 empresas de energia, incluindo Chesapeake Energy e Diamondback Energy.

PUBLICIDADE

A venda pode encorajar uma empresa a responder às críticas, mas sempre que um gestor de recursos vende uma participação, ela pode ser comprada por outro investidor que não está interessado em pressionar a administração por motivos ambientais, sociais ou de governança.

Rupert Krefting, chefe de finanças corporativas e administração da M&G Investments, analisa a exposição da empresa. Embora a M&G esteja considerando critérios para desinvestir de carvão, ele vê o petróleo e o gás como uma parte crítica da transição climática.

“O desinvestimento é o último recurso”, disse ele em entrevista.

Essa é uma visão corroborada por Johanna Kyrklund, CIO da Schroders, que administra cerca de US$ 1 trilhão.

“Não estamos indo pelo caminho da exclusão”, o que equivaleria a “minar o portfólio”, disse ela. “A participação ativa é o melhor caminho a seguir, e é isso que temos feito.”

Calstrs mostrou os benefícios de permanecer investido em petróleo e gás. Apoiou a campanha ativista Engine No. 1 que conseguiu substituir um quarto do conselho da Exxon Mobil no ano passado. Desde o início do esforço, a gigante do petróleo endureceu suas metas de poluição, declarou a ambição de eliminar as emissões de suas operações até 2050 e criou uma nova divisão para investimentos de baixo carbono.

PUBLICIDADE

BlackRock, que administra US$ 10 trilhões, incluindo mais de US$ 500 bilhões em fundos sustentáveis, disse que não tem uma política de venda de petróleo e gás. Em vez disso, executivos seniores disseram recentemente a clientes que investir em empresas com planos de descarbonização é uma “oportunidade subestimada”, especialmente durante os primeiros anos do que se espera que seja uma transição climática de décadas.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.