PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Onda de desmembramento de conglomerados alcança US$ 1 tri

Icônicas General Electric, Johnson & Johnson e Toshiba anunciaram planos de se desfazer de parte dos negócios

Investidores pressionam a direção das companhias a gerar valor e melhorar a governança por meio da simplificação de suas estruturas
Por Dinesh Nair
11 de Fevereiro, 2022 | 07:14 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A onda de desmembramento de grandes empresas não dá sinais de que termina tão cedo.

PUBLICIDADE

Empresas com valor de mercado somado de aproximadamente US$ 1 trilhão estão executando planos para dividir seus negócios. Nesta lista entraram recentemente uma das maiores gestoras de investimentos institucionais do mundo e uma gigante europeia de energia.

A canadense Brookfield Asset Management (BAM) informou que estuda desmembrar a divisão que investe em nome de instituições. O patrimônio dessa entidade separada é avaliado em US$ 100 bilhões. A Naturgy Energy (NTGY), maior distribuidora de gás natural da Espanha, planeja separar as operações de infraestrutura e energia em duas empresas listadas em bolsa.

PUBLICIDADE
Caindo: titãs da corporação estão tentando se livrar dos negóciosdfd

A tendência não é nova, mas ganha impulso à medida que os investidores pressionam a direção das companhias a gerar valor e melhorar a governança por meio da simplificação de suas estruturas. As icônicas General Electric (GE), Johnson & Johnson (JNJ) e Toshiba (TYO) anunciaram planos de desmembramento, afastando-se do modelo de conglomerado.

O número crescente de empresas separando divisões oferece uma oportunidade única para firmas especializadas em aquisições. A divisão de saúde do consumidor da farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) ainda pode ser abocanhada por firmas de private equity. Também no Reino Unido, a Informa (IFJPY) acertou nesta semana a venda de 85% da divisão Pharma Intelligence para a Warburg Pincus por 1,7 bilhão de libras esterlinas (US$ 2,3 bilhões).

Blackstone (BX) e Carlyle Group (CG) estão em negociações sobre uma potencial parceria para fazer uma oferta pela divisão de medicamentos genéricos da suiça Novartis (NVS), que que seria uma das maiores aquisições já realizadas, segundo reportagem veiculada pela Bloomberg News este mês. Bain Capital (BCSF) e CVC Capital Partners formaram um consórcio para estudar uma oferta pela divisão internacional de drogarias da Walgreens Boots Alliance (WBA), com valor de até 7 bilhões de libras.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Como proteger investimento da inflação? Veja dicas de ativos globais

Itaú: Compra de 13,38% da XP deve acontecer ‘nos próximos meses’