Mercados

Inflação de serviços sobe e amplia desafios para o Fed

Havia expectativa de recuo nos preços com retomada de movimento em restaurantes, hotéis e serviços

Preços de serviços como de restaurantes pressionam preços
Por Molly Smith e Olivia Rockeman
10 de Fevereiro, 2022 | 06:43 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Há esperança nos círculos econômicos e políticos de que a inflação esfrie quando os americanos voltarem a gastar mais dinheiro em restaurantes, hotéis e outras indústrias de serviços, e menos em coisas como roupas ou gadgets que foram pegos na bagunça das cadeias de suprimentos globais.

Essa tese está começando a parecer instável.

A inflação de bens continua subindo. Atingiu 12,3% na comparação anual em janeiro, o maior nível desde 1980. Ao mesmo tempo, a inflação de serviços também começou a aumentar acentuadamente, subindo a um ritmo anual de 4,6% em janeiro, o maior em 31 anos.

Aumento da inflação foi impulsionada por serviços dfd

Custos crescentes de serviços como seguro de saúde e habitação significam problemas para as autoridades responsáveis pela economia dos EUA, tornando mais difícil para o Federal Reserve e o presidente Joe Biden argumentar que a inflação vai esfriar quando os bloqueios logísticos, como o congestionamento nos portos, se resolverem.

PUBLICIDADE

“Com os casos de Covid em rápida queda e o crescimento salarial tão quente quanto a inflação, as pressões inflacionárias nos serviços estão se ampliando”, economistas da Wells Fargo Sarah House e Michael Pugliese disseram em nota. “Com a inflação de serviços aumentando constantemente, será necessário desacelerar de forma muito mais acentuada na inflação de bens essenciais para reduzir a inflação.”

“Além do Tempo”

O Fed, que está se preparando para aumentar as taxas de juros no próximo mês, já está sendo criticado por agir muito devagar para controlar a inflação. Quanto a Biden, que enfrenta uma luta para manter sua escassa maioria no Congresso nas eleições de novembro, muitos de seus críticos, e alguns membros de seu próprio partido, culpam o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão do governo no início do ano passado por sobrecarregar os preços.

Isso já está tornando mais difícil para o presidente aprovar medidas adicionais de gastos em seu programa econômico mais amplo.

“Já passou da hora de o Federal Reserve enfrentar essa questão, e o Congresso e o governo devem proceder com cautela antes de adicionar mais combustível a uma economia já em chamas”, disse o senador Joe Manchin, um democrata moderado que vetou a agenda Build Back Better de Biden.

PUBLICIDADE

A aceleração dos preços dos serviços inclui alguns dos itens que mais pesam nos orçamentos das famílias, tornando-os politicamente sensíveis.

Os custos com seguro saúde subiram 2,7% em relação a dezembro, o maior aumento de todos os tempos. O aluguel teve alta 0,5%, o maior desde maio de 2001. Enquanto os custos dos hotéis caíram, as passagens aéreas aumentaram, apesar do recorde de casos de Covid-19 no mês.

“Os custos da habitação estão subindo em ritmo robusto em relação à sua história”, e isso provavelmente continuará nos próximos meses, escreveram em nota os economistas da Bloomberg Anna Wong e Andrew Husby.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE