PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Quase US$ 3 trilhões desaparecem da renda fixa com rendimento negativo

Taxas negativas levaram à má alocação de capital, redução da lucratividade dos bancos, criação de crédito obstruída e funcionamento prejudicado dos mercados monetários

Quase US$ 3 trilhões desaparecem dos títulos com rendimento negativo
Por Alice Gledhill e Ye Xie
07 de Fevereiro, 2022 | 08:39 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O estoque global de títulos de rendimento negativo caiu para o nível mais baixo em mais de seis anos, com quase US$ 3 trilhões voltando ao território de rendimento positivo em apenas dois dias na semana passada, numa das mais evidentes indicações até agora de que a era do dinheiro fácil está chegando ao fim.

O conjunto de títulos considerados “subzero” - que oferecem aos investidores uma perda garantida se mantidos até o vencimento - agora é de cerca de US$ 4,9 trilhões, o menor desde dezembro de 2015, segundo dados do índice Bloomberg. Na Europa, o valor caiu 80% desde o pico de dezembro de 2020, para o equivalente a US$ 1,9 trilhão, o menor desde setembro de 2015; o volume era zero em 2014.

PUBLICIDADE

Essa mudança marca o início do fim de uma anomalia incompreensível nas finanças modernas – pessoas pagando para ter seu dinheiro emprestado. As taxas negativas eram boas para os mutuários, pois significavam que eles, e não os investidores, receberiam efetivamente os juros. Por outro lado, a situação incentivou os investidores de títulos a especular em outros ativos em sua busca por rendimento e prolongou a vida de empresas que poderiam entrar em colapso.

“O declínio no universo de títulos de rendimento negativo tem potencial para se tornar auto-reforçado, pois certos investidores, como seguradoras e fundos de pensão, que em anos anteriores estenderam os vencimentos e desceram o espectro de classificação para evitar rendimentos negativos, estão agora com menos pressão para fazê-lo”, escreveram estrategistas liderados por Nikolaos Panigirtzoglou do JPMorgan Chase & Co. (JPM) em nota aos clientes.

A dívida com rendimento negativo está desaparecendo à medida que os bancos centrais em todo o mundo começam a retirar o apoio emergencial à pandemia para combater a inflação – reduzindo a demanda por títulos, empurrando seus preços para baixo e seus rendimentos para cima.

PUBLICIDADE

O membro do conselho de governadores do Banco Central Europeu, Klaas Knot, disse no domingo que espera um aumento da taxa de juros já no quarto trimestre, enquanto os dados de folhas de pagamento dos EUA na sexta-feira alimentaram as expectativas de movimentos agressivos em todo o mundo.

“À medida que os bancos centrais normalizam a política, por meio de aumentos de taxas e (mais lentamente) redução do balanço, a queda deve continuar”, disse Vincent Chaigneau, chefe de pesquisa da Generali Investments.

Na Alemanha, um dos maiores bastiões de taxas negativas do mundo, os rendimentos de 10 anos registraram o décimo aumento diário consecutivo, o maior avanço em 22 anos. Eles subiram para 23 pontos base de menos 18 pontos base no final de 2021.

Ressaltando o risco de uma mudança abrupta na política monetária, os custos dos empréstimos para os governos europeus mais endividados, incluindo Grécia e Itália, aumentaram desde a mudança agressiva de postura do BCE na semana passada. Os movimentos em títulos do governo estão se espalhando para o crédito corporativo. Os custos de financiamento para mutuários de alta qualidade do euro saltaram acima de 1% pela primeira vez desde junho de 2020.

Mas os estrategistas do JPMorgan disseram que uma mudança dos rendimentos negativos e das taxas de juros negativas pode realmente criar um “vento favorável” para as principais economias, já que “as consequências não intencionais anteriores das taxas negativas diminuem”.

Taxas negativas levaram à má alocação de capital, redução da lucratividade dos bancos, criação de crédito obstruída e funcionamento prejudicado dos mercados monetários, disseram os estrategistas.

PUBLICIDADE

--Com a ajuda de James Hirai.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE