PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
ESG

Movimento ‘Buy Black’ avança na pandemia, segundo Yelp

Mais de 45 mil donos de companhias optaram por identificar seus negócios como pertencentes a negros por meio de uma tag no site desde 2020

Negócios liderados por pessoas negras tiveram uma classificação média de 4,4, acima da média de 3,6 para todas as empresas listadas no Yelp
Por Jeff Green
06 de Fevereiro, 2022 | 10:55 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O movimento ‘Buy Black’, que surgiu após os conflitos sociais e o impacto da pandemia em 2020, continuou a encontrar apoio em 2021, já que as menções a empresas pertencentes a pessoas negras mais que dobraram e as classificações foram superiores à média, de acordo com um estudo do Yelp divulgado na quinta-feira.

Mais de 45.000 donos de companhias optaram por identificar seus negócios como pertencentes a negros por meio de uma tag no site desde 2020, disse a empresa de pesquisa em um post. As menções a empresas pertencentes a negros aumentaram 165% em 2021 em comparação a 2019 e as pesquisas por essas companhias foram 5% maiores que a média de três anos, mostraram os dados.

PUBLICIDADE

As empresas lideradas por negros foram duramente atingidas durante os estágios iniciais da pandemia. Houve um declínio de 41% de proprietários negros de fevereiro a abril de 2020, segundo o National Bureau of Economic Research.

Veja mais: Desemprego entre negros sobe para o dobro entre brancos nos EUA

A recuperação desde então também tem sido difícil. Mais da metade das empresas pertencentes negros tinha menos de três meses de caixa em reserva e 45% disseram que possuem dívidas acumuladas em excesso para permanecer no negócio, mostrou uma pesquisa do Goldman Sachs Group em setembro.

PUBLICIDADE

Em outro obstáculo à recuperação, o número médio de funcionários pré-pandemia em empresas de propriedade de negros caiu para seis, de nove antes da pandemia, segundo o Goldman.

Negócios liderados por pessoas negras tiveram uma classificação média de 4,4, acima da média de 3,6 para todas as empresas listadas no Yelp.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também: Racismo precisa ser discutido pelo Fed, diz Bostic

PUBLICIDADE