Consumidores estão gastando menos online em todo o setor de varejo
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Opininon — Os investidores da Amazon.com (AMZN) estavam se preparando para o pior, um dia depois que o sombrio relatório de lucros da Meta Platforms (FB) provocou uma queda histórica nas ações e espalhou preocupações de que os especialistas em tecnologia estivessem perdendo seu encanto. As ações da Amazon caíram quase 8% nas negociações regulares na quinta-feira (3), antes de suas próprias notícias de ganhos.

Mas os resultados mais ou menos da Amazon e o anúncio de um aumento de preço nas assinaturas do Amazon Prime foram suficientes para aplacar os investidores, que elevaram o preço das ações da varejista em 14% nas negociações fora do expediente.

PUBLICIDADE

Na noite de quinta-feira (3), a gigante da internet reportou receita de US$ 137,4 bilhões nos três meses encerrados em dezembro, um aumento de 9% em relação ao ano anterior, mas um pouco abaixo da estimativa média de US$ 137,8 bilhões dos analistas consultados pela Bloomberg. Pelo terceiro trimestre consecutivo, a Amazon ofereceu uma previsão moderada, projetando um crescimento de receita de 3% a 8% para o trimestre atual, abaixo da estimativa média de 11%.

Os acionistas pareciam aliviados porque o negócio não se deteriorou ainda mais. E alguns pontos positivos compensaram o número decepcionante da receita. Primeiro, a unidade de computação em nuvem líder do setor, a Amazon Web Services, teve outra exibição estelar, crescendo 40% no último trimestre. Isso foi um pouco mais rápido do que o período anterior de três meses.

PUBLICIDADE

Em segundo lugar, a empresa anunciou que aumentaria o preço de sua assinatura US Prime, que oferece entrega mais rápida e outros benefícios, como streaming de vídeo, para US$ 139 por ano, de US$ 119.

A Amazon fez claramente o cálculo de que o aumento de preço compensará qualquer perda de assinante. Isso não é garantido, no entanto. Embora a empresa tenha mantido os assinantes após seus aumentos passados quatro e oito anos atrás, há uma chance de as pessoas recusarem o último salto. Isso é especialmente verdade agora que os consumidores têm alternativas melhores: as operações de comércio eletrônico de seus principais concorrentes, incluindo o Walmart (WMT), a Target (TGT) e a fornecedora de software Shopify (SHOP), estão mais robustas agora do que há alguns anos.

PUBLICIDADE

Os resultados mais recentes destacaram outros desafios da Amazon. Uma razão pela qual a empresa disse que estava aumentando o custo do Prime foi para combater o aumento dos custos de mão de obra e transporte. Como um dos maiores empregadores do mundo, com 1,6 milhão de trabalhadores, a Amazon sente as pressões salariais agudamente.

Existem outros sinais de alerta. As vendas online da Amazon caíram ligeiramente durante o período de férias em comparação com as do trimestre de 2020, quando se beneficiou de um aumento sustentado nas compras online durante a pandemia de Covid-19.

PUBLICIDADE

Os consumidores estão gastando menos online em todo o setor de varejo. De acordo com dados de cartão de crédito do Bank of America, as vendas de comércio eletrônico nos Estados Unidos caíram 3% em dezembro em comparação com as do ano anterior, após subir 6% em novembro. As vendas permaneceram negativas no início de janeiro, mostraram os dados.

Isso é um problema para uma ação como a da Amazon. Embora os investidores não tenham ficado completamente surpresos com seus resultados estagnados, as ações ainda não estão baratas em 56 vezes a estimativa de ganhos médios de 2022, mesmo usando o preço de fechamento de quinta-feira (3).

Após um breve salto, os investidores que procuram um forte crescimento provavelmente não voltarão até que haja alguma indicação de uma recuperação nas vendas. Pode ser uma longa espera.

– Este texto foi traduzido por Marcelle Castro, localization specialist da Bloomberg Línea.

Tae Kim é colunista da Bloomberg Opinion e escreve sobre tecnologia. Ele já desempenhou esta função na Barron’s, depois de uma breve carreira como analista de mercado.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também