PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Startups atraem US$ 15 bi e batem recorde na América Latina

Região se tornou alvo para fundos de venture capital com unicórnios de rápido crescimento

Startups atraem US$ 15 bi e batem recorde na América Latina
Por Ezra Fieser
24 de Janeiro, 2022 | 05:58 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Investidores de tecnologia despejaram uma quantidade recorde de recursos na América Latina no ano passado, criando uma nova classe de startups que valem pelo menos US$ 1 bilhão, também chamadas de “unicórnios”, em uma região que rapidamente se tornou um alvo para fundos de venture capital.

As startups atraíram US$ 15,3 bilhões no ano passado, mais que o triplo do recorde anterior, de US$ 4,9 bilhões em 2019, de acordo com dados preliminares divulgados no domingo pela Associação para Investimentos de Capital Privado na América Latina, ou LAVCA.

PUBLICIDADE

O financiamento em todos os principais países atingiu um recorde, liderado pelo Brasil, e a tecnologia financeira, ou fintech, conquistou mais do que qualquer outro setor, disse a associação com sede em Nova York.

Startups de América Latina recibieron un récord de US$15.300 millones de capital de riesgo en 2021. dfd

Fundos internacionais estão fazendo parcerias com empresas locais em rodadas de investimento grandes e pequenas, disse Julie Ruvolo, diretora administrativa de capital de risco da LAVCA.

Eles ajudaram a criar 17 startups privadas no valor de US$ 1 bilhão ou mais no ano passado, incluindo empresas no México, como a revendedora de carros usados Kavak, avaliada em US$ 8,7 bilhões. O México não tinha unicórnios até janeiro de 2021, de acordo com o LAVCA.

PUBLICIDADE

Não é só a América Latina.

O financiamento de risco no primeiro semestre do ano passado aumentou 128% nos mercados emergentes, em relação ao ano anterior. Na América Latina, cresceu 335%, segundo os últimos dados disponíveis da Global Private Capital Association, da qual a LAVCA é membro.

“Estamos vendo uma explosão nos mercados globais com anos recordes”, disse Ruvolo.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE