PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

China não bate meta de acordo e aumenta pressão sobre Biden

Governo chinês pede que EUA revogue a incidência de tarifas aduaneiras sobre produtos importados da China

Apesar dos números melhores, a China culpou pandemia pelo déficit
Por Ailing Tan
24 de Janeiro, 2022 | 11:27 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O acordo comercial histórico assinado em 2020 entre as duas maiores economias do mundo não conseguiu reduzir o déficit comercial bilateral, aumentando a pressão para que o governo Biden lide com os problemas econômicos não resolvidos com a China.

Desde que o ex-presidente Donald Trump assinou o acordo em janeiro de 2020, a China comprou cerca de US$ 237 bilhões em produtos agrícolas, industrializados e energéticos dos Estados Unidos – 63% do valor que prometeu comprar, segundo análise de dados oficiais chineses pela Bloomberg.

PUBLICIDADE
Produtos importados dos EUA para a China consistem em 63% da meta acordadadfd

Embora as compras de empresas chinesas tenham melhorado em relação aos baixos níveis de 2019 e do início de 2020, não foi o suficiente para atingir as metas. A China culpou a pandemia e fatores como os problemas com o 737 Max da Boeing (BA), extinto após acidentes fatais.

Aumento da exportação da China Para os EUA gerou superávitdfd

Ao mesmo tempo, o apetite dos americanos por produtos fabricados na China, incluindo eletrodomésticos e bicicletas, levou as exportações chinesas a um nível recorde, minando o objetivo subjacente do acordo de aproximar o comércio bilateral do equilíbrio. Embora haja uma declaração vaga no acordo de que a China continuará comprando, não há metas públicas e não está claro o que acontecerá com as compras futuras.

A China insistiu que as tarifas sobre seus produtos fossem removidas, argumentando que isso ajudará a economia global a se recuperar e reduzir as pressões inflacionárias. Não houve negociações para substituir o acordo, e o presidente Joe Biden disse na semana passada que não está pronto para acabar com as tarifas sobre produtos da China.

PUBLICIDADE
(em milhões de dólares)Meta 2020-2021Total 2020-2021Dezembro de
2021
Novembro de
2021
Outubro de
2021
Setembro de
2021
Agosto de
2021
Total de 2020
Todos os produtos378.383237.37313.40713.6119.46611.65010.48599.883
Produtos industrializados232.633143.8775.7957.1445.8777.1066.37666.524
1. Maquinário industrial36.3621.5281.8641.5781.5281.62716.818
2. Equipamentos e maquinário elétricos13.4615515735565435736.710
3. Produtos farmacêuticos11.1836315444936715834.936
4. Aeronaves4.2225463341432142,024
5. Veículos19.8695251.4538311.4039208.639
6. Instrumentos ópticos e médicos10.5924395224425264634.905
7. Ferro e aço1.1074145384140606
8. Outros produtos industrializados47.0812.0252.0811.9052.2511.95621.887
Circuitos eletrônicos integrados29.9641.1271.1771.1421.3091.20014.222
Produtos agrícolas80.17362.3815.1173.7622.1922.4532.11223.565
9. Soja27.5393.6222.154455991110.635
10. Carne7.2443453323413813803.131
Carne suína2.55820252641641.637
11. Cereais11.0002152946001.1711.0592.456
12. Algodão3.20650666387851.605
13. Outras commodities agrícolas11.6387758156196054854.961
14. Frutos do mar1.75511010111311091779
Produtos energéticos65.57831.1152.4952.7051.3972.0911.9979.794
15. Gás natural liquefeito7.4861.1021.3015906155301.104
16. Petróleo bruto11.90136175883675596.277
17. Produtos refinados8.9116217864577326032.300
18. Carvão2.817411543262378306113

Observação 1: os dados apresentados têm como base dados preliminares da fonte.

Observação 2: dados mensais do setor de serviços não foram informados pelas autoridades chinesas

Fonte: Administração Geral de Aduanas da China

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE