PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Chile: Presidente eleito dá choque de realidade em investidores

“Nosso status quo atual retarda o desenvolvimento econômico e aprofunda a agitação social”, disse presidente eleito

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O presidente eleito Gabriel Boric alertou que o boom de gastos do consumidor no Chile é insustentável e que as finanças do governo estão sob pressão, dando um choque de realidade em uma das economias que mais crescem no mundo.

O crescimento deve ser impulsionado pelo investimento, protegendo o meio ambiente, disse Boric nesta quinta-feira (13) em um evento de negócios em Santiago. Aumentar a receita do governo por meio da reforma tributária e oferecer garantias legais aos investidores ajudará a tornar a expansão econômica mais durável e a resolver problemas sociais, disse ele.

PUBLICIDADE

“Nosso status quo atual retarda o desenvolvimento econômico e aprofunda a agitação social”, observou Boric. “Se não avançarmos com soluções materiais, não teremos resolvido as causas da explosão social.”

A economia do Chile cresceu cerca de 12% no ano passado, um recorde para o país sul-americano, segundo o banco central, que espera que o crescimento desacelere para 2% este ano. Os formuladores de políticas provavelmente aumentarão a taxa de referência novamente este mês, estendendo os aumentos para um total de 350 pontos base desde julho em meio à inflação anual acima da meta.

Boric, um ex-líder estudantil de 35 anos, assumirá o cargo em março depois de prometer maior igualdade em uma nação que é uma das mais prósperas da América Latina e uma das favoritas do mercado financeiro global. Os investidores estão esperando que ele anuncie seu gabinete em uma semana.

PUBLICIDADE

Veja mais: Chile: Mercado espera escolha de Boric para equipe econômica

Aumentar a produtividade e recuperar empregos formais, especialmente para mulheres e jovens, representam as principais prioridades, disse Boric. As mudanças da próxima administração serão graduais e serão implementadas com responsabilidade fiscal, disse, comprometendo-se a reduzir o défice estrutural a partir de 2023.

O novo governo sabe que as alianças com o setor privado serão fundamentais para impulsionar o investimento, segundo o novo chefe de Estado. Boric disse que sua equipe estará sempre aberta ao diálogo com diferentes segmentos da sociedade.

PUBLICIDADE

Seu discurso ocorre um dia depois que o atual governo concedeu contratos controversos de lítio. O momento atraiu críticas tanto de grupos de oposição quanto de Boric, que disse à mídia na quarta-feira (12) que a decisão se assemelha a “aquelas leis que amarram você no último minuto quando um governo está prestes a terminar”.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE