PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Bancos chineses freiam empréstimo imobiliário a governos locais

Pelo menos cinco bancos estatais impuseram novas restrições a empréstimos para compra de terras e novos projetos imobiliários

Evergrande
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Vários dos maiores bancos da China se tornaram mais seletivos no financiamento de projetos imobiliários por meio de veículos de financiamento do governo local, preocupados com o fato de alguns estarem assumindo riscos demais depois de substituirem incorporadoras privadas como principais compradores de terrenos, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

Pelo menos cinco bancos estatais impuseram novas restrições este ano a empréstimos que buscam comprar terras e desenvolver novos projetos imobiliários, disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas discutindo um assunto privado. Os bancos estão sendo mais rigorosos na avaliação da solidez financeira da economia local e das perspectivas de vendas dos projetos, disseram as pessoas.

PUBLICIDADE

Os maiores bancos da China estão receosos com o setor imobiliário, atingido por uma série de casos de inadimplência, queda nas vendas de casas e preços mais baixos em algumas cidades. Enquanto os bancos estão sendo encorajados por reguladores para conceder crédito a desenvolvedores mais fortes, eles também estão sob pressão para manter as perdas com empréstimos contidas e evitar o financiamento a empresas imobiliárias que fizeram empréstimos excessivos.

Os veículos de financiamento do governo local são uma ferramenta para os governos locais pedirem dinheiro emprestado sem que ele apareça em seus balanços.

Pelo menos 23 de 31 províncias da China tiveram queda na receita com vendas de terrenos em 2021, prejudicando seus orçamentos. As restrições de empréstimos bancários podem corroer ainda mais as vendas de terrenos imobiliários, que o E-house Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da China estima representar até 40% da receita de alguns governos municipais e provinciais.

PUBLICIDADE

Empréstimos mais apertados também aumentam os riscos de default para os veículos de financiamento do governo local. Eles se tornaram grandes tomadores de empréstimos nos mercados de crédito doméstico e offshore com cargas de dívida combinadas que explodiram para mais de US$ 8 trilhões nos últimos anos e cujas classificações de crédito estão intimamente ligadas à solidez financeira dos governos locais.

Para ajudar os governos locais a aumentar seu poder de compra, Pequim permitiu que eles vendessem alguns títulos de infraestrutura antecipadamente, assim como fez nos últimos anos, quando os principais formuladores de políticas queriam que as províncias tomassem empréstimos e gastassem o mais rápido possível. A China planeja manter sua cota de 2022 para vendas de títulos especiais do governo local inalterada em relação ao ano passado em 3,65 trilhões de yuans, informou a Bloomberg na terça-feira.

Os bancos chineses tinham mais de 51,4 trilhões de yuans de empréstimos pendentes para o setor imobiliário em setembro. A exposição foi maior do que qualquer outra indústria e representou cerca de 27% do total de empréstimos do país, segundo dados oficiais.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

O que significa a joint venture da BRF com o fundo soberano saudita?

Valor de mercado da Ford ultrapassa US$ 100 bi com elétricos em alta

PUBLICIDADE