PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Powell: Fed deve garantir que a inflação não crie raízes na economia

Powell foi indicado pelo presidente Joe Biden para um segundo mandato de quatro anos como chefe do banco central

Jerome Powell, presidente do Fed: inflação não crie raízes na economia
Por Craig Torres
10 de Janeiro, 2022 | 08:03 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que o banco central vai trabalhar para que a inflação mais alta não se consolide na economai, ao mesmo tempo em que alertou que a economia pós-pandemia pode parecer diferente do ciclo de expansão anterior.

“Usaremos nossas ferramentas para apoiar a economia e um mercado de trabalho forte e impedir que a inflação mais alta se consolide”, disse Powell em uma breve declaração da abertura preparada para ser entregue em sua audiência de confirmação perante o Comitê Bancário do Senado.

PUBLICIDADE

“Podemos começar a ver que a economia pós-pandemia provavelmente será diferente em alguns aspectos. A busca de nossos objetivos precisará levar essas diferenças em consideração”, disse ele nos comentários, divulgados na segunda-feira antes da audiência de terça-feira.

Powell foi indicado pelo presidente Joe Biden para um segundo mandato de quatro anos como chefe do banco central do país. A governadora do Fed Lael Brainard foi escolhida para servir como vice-presidente e irá testemunhar perante o comitê na quinta-feira. Ela sucede a Richard Clarida, que disse nesta segunda-feira que deixará o cargo em 14 de janeiro.

Sua saída deixará três vagas restantes no conselho do Fed em Washington e a Casa Branca deve anunciar em breve uma lista de candidatos para preencher esses assentos.

PUBLICIDADE

As autoridades do banco central dos EUA, respondendo à inflação mais elevada em uma geração, estão se apressando para encerrar o apoio da política monetária no período de pandemia, ao mesmo tempo em que sinalizam que aumentarão as taxas de juros mais cedo do que o esperado. Todas as autoridades em dezembro indicaram que apoiavam o aumento das taxas de quase zero este ano. Uma estimativa mediana aponta três aumentos, em comparação com nove das 18 autoridades em setembro que não buscavam nenhum aumento em 2022.

Os formuladores de política monetária temem que as pressões de preços se enraízem na economia dos EUA. Eles preveem mercados de trabalho fortes, mesmo enquanto a economia luta contra a variante ômicron, o que pode prolongar os problemas no fornecimento de bens, serviços e trabalhadores.

À medida que a covid-19 se espalhava no início de 2020, Powell rapidamente reduziu as taxas para zero, lançou a flexibilização quantitativa e começou a implantar a maior rede de segurança financeira da história dos EUA para conter o pânico nos mercados e manter o crédito fluindo para as empresas americanas.

Em meio a isso, Powell também lançou uma nova estrutura de política que comprometeu o Fed a não aumentar preventivamente as taxas à medida que o desemprego caía, a fim de permitir que os benefícios de um mercado de trabalho apertado chegassem às comunidades que perderam no passado. O desemprego nos EUA caiu para 3,9% em dezembro, mas a taxa de desemprego para os negros americanos subiu para 7,1%.

Powell em seus comentários elogiou o trabalho de supervisão financeira do Fed nos últimos quatro anos. “Trabalhamos para melhorar o acesso do público a pagamentos instantâneos, intensificamos nosso foco e esforços de supervisão em ameaças em evolução, como mudanças climáticas e ataques cibernéticos, e expandimos nossa análise e monitoramento da estabilidade financeira”, disse ele.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE