Internacional

Ativos chilenos estão à mercê das eleições de domingo

Peso e ações tiveram um dos piores desempenhos globalmente nos últimos seis meses

Chile enfrenta as eleições mais polarizadas dos últimos tempos
Por Valentina Fuentes
18 de Dezembro, 2021 | 08:47 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os ativos chilenos estão se preparando para uma semana volátil após as eleições presidenciais, que determinarão se o país continuará com sua economia de mercado livre ou se virará à esquerda com mais regulamentação e gastos sociais.

Veja mais: Chile: Católico convicto versus a esquerda na eleição presidencial

Peso e ações tiveram um dos piores desempenhos globalmente nos últimos seis meses, em meio a especulações de que Gabriel Boric poderia ganhar as eleições de domingo e dar lugar a impostos mais altos, sindicatos mais fortes e o fim do sistema de previdência privada. Analistas dizem que sua vitória pode colocar mais pressão sobre os preços dos ativos, com alguns projetando uma queda adicional de 10% no mercado de ações.

No entanto, o triunfo do conservador José Antonio Kast pode ter o efeito oposto, pois os investidores descontam um novo compromisso com a ortodoxia econômica que transformou o Chile nas últimas quatro décadas em um dos países mais ricos da América Latina. As prioridades de Kast incluem cortes de impostos, menos concessões na expansão do bem-estar e um aparato estatal menor.

PUBLICIDADE

A maioria das pesquisas mostrou Boric com uma vantagem sólida nos dias que antecedem a votação, embora as pesquisas mais recentes indiquem que a distância com Kast está diminuindo. De qualquer forma, o Chile enfrenta as eleições mais polarizadas dos últimos tempos, bem como um processo de redação de uma nova Constituição, após um período de agitação social sem precedentes.

“Nos últimos dias, considerando a movimentação de certos ativos, o mercado se inclinou mais para ver cada candidato com 50/50 de chance de sucesso”, disse Jorge Garcia, gerente de investimentos da corretora Nevasa em Santiago.

O peso enfraqueceu 14% nos últimos seis meses, a segunda maior queda entre as mais de 30 moedas principais analisadas pela Bloomberg. O índice de ações S & P / CLX IPSA perdeu um valor semelhante em termos de dólares durante esse período, tornando-se o sexto pior desempenho entre mais de 90 índices globais.

Aqui está uma amostra do que investidores, analistas e economistas estão dizendo sobre as perspectivas para os mercados chilenos:

PUBLICIDADE

Leonardo Suárez, economista da LarrainVial em Santiago:

Suarez diz que o peso já sofreu um desconto pressupondo uma vitória de Boric, então pode não haver muito movimento se esse resultado for confirmado.

“Se Kast vencer, poderemos ver uma valorização temporária em torno de 800 por dólar, após a qual a taxa de câmbio pode voltar a cerca de 850 pesos por dólar, no início de 2022, devido à incerteza institucional e política local”, escreveu ele em uma nota recente aos clientes.

Luis Felipe Alarcón, economista da Euroamerica em Santiago:

Uma vitória do Boric pode derrubar o IPSA para 3.900, dos 4.400 atuais, ele projeta. Uma vitória de Kast pode elevar o índice para 4.900.

No mercado de renda fixa, os rendimentos dos títulos do governo de 10 anos podem subir até 120 pontos-base se Boric vencer, e cair para cerca de 50 pontos-base no caso de um cenário oposto, disse ele.

Caesar Maasry, analista do Goldman Sachs em Nova York:

As avaliações das ações chilenas caíram muito e a IPSA deve subir para 4.900 nos próximos 12 meses, de acordo com suas previsões.

“Embora haja claramente uma grande incerteza em torno dos resultados das eleições e da política subsequente, o ponto de partida parece bastante baixo do ponto de vista da avaliação”, escreveu ele em uma nota a clientes em 15 de dezembro.

PUBLICIDADE

Diego Celedón, analista da JPMorgan em Santiago:

O pior cenário foi descartado depois que a centro-direita teve melhor desempenho nas eleições legislativas do Chile.

Mesmo assim, o banco mantém uma posição neutra sobre as ações chilenas devido aos riscos políticos e à votação no referendo constitucional de 2022.

Um possível resultado positivo das eleições seria uma fonte de valorização no curto prazo, mas aumentos adicionais viriam da implmentação de novas políticas.

Guilherme Paiva e Juan Ayala, analistas do Morgan Stanley:

O quadro macro atual para o Chile deve ser mantido em 2022, independentemente de quem vença a corrida.

PUBLICIDADE

“Em um cenário de macro política mais heterodoxo, veríamos uma reação inicial desfavorável nos preços dos ativos de risco até que finalmente haja alguma moderação.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Chile enfrenta saída de capital com modelo econômico fragilizado

PUBLICIDADE