Agro

Camil amplia atuação no mercado de cafés com mais duas aquisições

Depois de comprar a marca Seleto, empresa anunciou a compra do controle acionário do Café Bom Dia e da Agro Coffee, ambas em recuperação judicial

Camil compra Café Bom Dia e passará a industrializar café para suas próprias marcas
16 de Dezembro, 2021 | 09:35 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Linea — Disposta a acelerar seu crescimento no segundo maior mercado consumidor de café do mundo, a Camil Alimentos anunciou na madrugada de hoje a aquisição de duas importantes indústrias nacionais. A empresa adquiriu as mineiras Café Bom Dia e Agro Coffee por R$ 62 milhões e R$ 1 milhão, respectivamente, ambas em recuperação judicial. Com o investimento, a Camil passará a deter 97,71% do capital da Café Bom Dia e 90,33% da Agro Coffee.

As aquisições têm um papel estratégico para a Camil. Em setembro, a compra da marca Seleto representou a entrada da Camil no mercado de cafés. Contudo, o negócio feito junto ao grupo Jacobs Douwe Egberts (JDE) Brasil, antiga Sara Lee, incluiu apenas a marca e nenhuma indústria. A compra do Café Bom Dia, que inclui uma planta industrial em Varginha, permitirá que a Camil produza seu próprio café e o embale sob qualquer uma das suas marcas: Seleto, Bom Dia, Sul de Minas e até mesmo União, tradicionalmente conhecida por sua presença no mercado de açúcar.

No caso da Agro Coffee, importante trading do mercado de café, a aquisição significa a entrada no comércio do grão, ou, do chamado café verde. Além de adquirir matéria-prima para sua própria indústria, a Camil poderá atuar também na exportação do produto.

Veja mais: Camil paga R$ 410 milhões por Santa Amália e entra no segmento de massas

PUBLICIDADE

O mercado brasileiro de café movimenta por ano cerca de R$ 10,3 bilhões e é o segundo maior consumidor do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. O consumo per capita nacional foi de 4,8 quilos por habitante no ano passado, mas a expectativa é que seja registrada alguma retração neste ano, diante da alta dos preços internacionais.

O Brasil lidera a produção e exportação de café no mundo. Com o ingresso de US$ 570,6 mil em novembro, a receita cambial com as exportações brasileiras de café avançou para US$ 5,4 bilhões no acumulado de 2021, apresentando evolução de 5,9% na comparação com os ingressos obtidos em igual período de 2020. No mesmo intervalo, o volume embarcado recuou 10%, fechando os 11 primeiros meses deste ano em 36,3 milhões de sacas.

O desempenho positivo da receita reflete um cenário de câmbio forte e os elevados preços internacionais do produto. “Temos vivenciado momentos de volatilidades muito altas no mercado, com as cotações se aproximando de níveis históricos em reais. O preço médio das exportações em 2021, de US$ 148,81 por saca, é o maior desde 2017. Aliado a isso, o dólar permanece fortalecido frente ao real, o que favorece o crescimento da entrada de recursos ao Brasil com as remessas cafeeiras”, explica Nicolas Rueda, presidente do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Leia também

Seis varejistas europeias suspendem compra de carne brasileira por desmatamento

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.