PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Bitcoin tem quarta queda semanal consecutiva

Ativo digital caiu cerca de 30% desde que atingiu o recorde de quase US$ 69.000 em 10 de novembro

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O Bitcoin registrou seu quarto declínio semanal consecutivo, após um breve salto desencadeado pelos dados mostrando que a aceleração da inflação nos Estados Unidos não conseguiu desfazer o sentimento negativo que recentemente se apoderou dos mercados de ativos digitais.

A maior criptomoeda em valor de mercado há muito tempo é considerada uma proteção contra a inflação, em parte por causa de seu suprimento fixo. O Bitcoin pouco oscilou depois de subir inicialmente 4,4%, para US$ 50,101 nas negociações em Nova York nesta sexta-feira (10). Na semana, ele caiu cerca de 10%. A moeda tem ficado em torno do nível de US$ 50.000 desde um crash repentino no último fim de semana, tendo chegado a cair até 21% no sábado.

PUBLICIDADE

“Este é um limite importante e a falha em protegê-lo provavelmente assustará alguns traders”, escreveu Nigel Green, fundador e presidente-executivo do deVere Group, em uma nota.

O Bitcoin caiu cerca de 30% desde que atingiu o recorde de quase US$ 69.000, em 10 de novembro. Ele ainda avançou cerca de 65% este ano. O Ether, que também está saindo de um recorde histórico do mês passado, recuou pelo segundo dia.

Analistas argumentam há muito tempo que o Bitcoin e outros ativos digitais, por serem uma classe de ativos idiossincrática, poderiam atuar como proteção contra oscilações em outras áreas do mercado financeiro. Apenas 21 milhões de Bitcoins serão colocados em circulação, embora não se espere que esse número seja alcançado por várias décadas.

PUBLICIDADE

“O Bitcoin ainda é visto como uma proteção contra a inflação, especialmente para investidores mais jovens”, disse Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak + Co. “Uma vez que tem poucas restrições no momento, é visto como um ativo de segurança para alguns investidores . "

Muitos investidores e analistas notáveis de Wall Street aceitaram a ideia de usar criptomoedas como uma proteção contra a alta dos preços. O veterano administrador de fundos de hedge, Paul Tudor Jones, disse no passado que gosta de usar as criptos como uma reserva de riqueza. Enquanto isso, Michael Saylor, da MicroStrategy Inc., disse que o relaxamento do Federal Reserve em sua política de inflação ajudou a convencê-lo a investir o dinheiro do fabricante de software empresarial em Bitcoin.

O índice de preços ao consumidor aumentou 6,8% no mês passado em relação com novembro de 2020, de acordo com dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta sexta. Aqueles que assistiam aos gráficos do Bitcoin observaram de perto que seus ganhos se aceleraram após a divulgação dos dados.

PUBLICIDADE

Mesmo assim, também existem muitos contra-argumentos. As correlações podem não ser o que parecem, de acordo com Marc Chandler, estrategista-chefe de mercado da Bannockburn Global Forex. Ele aponta que as ações também subiram após o relatório - então a correlação pode ser com ativos de risco, diz ele.

Outros argumentam que o Bitcoin não existe há tempo suficiente para polir sua imagem de proteção contra a inflação. Além disso, de acordo com Cam Harvey, professor da Duke University e parceiro da Research Affiliates, ele se comporta como um ativo especulativo e está sujeito a travamentos periódicos.

“Se o Bitcoin é ‘ouro digital’ e o ouro é uma proteção contra a inflação, segue-se que o Bitcoin também é, certo? Infelizmente, não há evidências para apoiar isso, e até mesmo a relação entre inflação e ouro tem sido tênue ao longo dos anos“, escreveu Noelle Acheson, da Genesis Trading, em relatório. “No longo prazo, entretanto, o ouro mais do que manteve seu valor, enquanto as moedas fiduciárias declinaram; Bitcoin pode acabar fazendo o mesmo.”

PUBLICIDADE

- Com a ajuda de Emily Graffeo eCrystal Kim.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE