Bitcoin
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — O debate, que já perdura há um tempo, na comunidade das criptomoedas é se o Bitcoin terá um desempenho melhor do que os “altcoins”, geralmente definidos como moedas digitais diferentes do Bitcoin, como Ethereum, Solana, Cardano e Polkadot. Os extremistas do Bitcoin dizem que a única reserva real de valor é o Bitcoin, pois ele é perfeitamente descentralizado e o número de moedas que podem existir é estritamente limitado. Isso é verdade. Mas a verdadeira questão é se os investidores de criptomoedas precisam necessariamente de uma verdadeira reserva de valor ou se há espaço para vários blockchains com funções diferentes.

Considere que, há 2.000 anos, o sistema financeiro resumia-se basicamente ao ouro. Não havia ações, títulos ou qualquer outra forma de financeirização além de empréstimos informais. Não mudou muito nos 1.400 anos seguintes, até que surgiram as primeiras instituições financeiras e a dívida começou a ser tratada como um ativo financeiro. As primeiras empresas de capital aberto surgiram nos anos 1600 e os mercados financeiros, tanto de ações quanto de dívidas, desenvolveram-se gradualmente a partir daí.

PUBLICIDADE

As finanças só se tornaram muito complexas recentemente, com derivativos simples, como futuros e opções, transformando-se em coisas como swaps de inadimplência de crédito, obrigações de dívida colateralizadas e outras formas alucinantes de distribuir o risco. Essa tendência é chamada de financeirização e ressalta como o valor do papel desempenhou um papel maior na economia, enquanto os ativos tangíveis vem desempenhando um papel cada vez menor.

Algumas pessoas têm uma visão sombria da financeirização por causa da experiência desagradável com derivativos de crédito durante a crise financeira. Mas a verdade é que o aumento da financeirização geralmente corresponde a um padrão de vida mais elevado ao longo do tempo. Ninguém quer ouvir isso, mas financeirização e complexidade são uma coisa boa.

PUBLICIDADE

Daí surge o Bitcoin, que é essencialmente ouro digital. As críticas feitas ao ouro também se aplicam ao Bitcoin: ele não faz nada; é uma pedra de estimação; não paga juros nem dividendos; não imita o desempenho de qualquer título de dívida ou patrimônio. Ele apenas fica lá. Mas, como o ouro, o Bitcoin funciona como uma reserva absoluta de valor. Existe uma quantidade finita de ouro na crosta terrestre e é cada vez mais difícil extraí-lo com o passar do tempo, assim como o Bitcoin. O ouro também serve como proteção contra o abuso sistemático de moedas fiduciárias por parte de governos e bancos centrais, que tendem a criar cada vez mais oferta.

O universo de criptomoedas tem pouco mais de 10 anos e, no início, não havia quase nada além do Bitcoin. Mas o que aconteceu desde então foi a financeirização - existem cada vez mais criptomoedas que desempenham papéis diferentes. Algumas delas, como o Ethereum, têm fluxos de caixa e podem ser avaliadas com base em seus fluxos de caixa. E o valor total de mercado do Bitcoin em relação ao valor de mercado de todas as criptomoedas tem diminuído ao longo do tempo e continuará a diminuir até que um dia represente menos de 1% de toda a classe de ativos - assim como acontece com o ouro hoje no mercado financeiro.

PUBLICIDADE

Isso não significa que o preço do Bitcoin necessariamente cairá, mas significa que os altcoins com utilidade aumentarão de valor com o passar do tempo em relação ao Bitcoin. Em outras palavras, eles são as ações, títulos e derivativos do jovem mundo das criptomoedas. Claro, os emissores de ações sempre podem emitir mais ações, e os emissores de títulos sempre podem emitir mais títulos, mas essa diluição normalmente não impede as pessoas de investir em ações e títulos. É simplesmente uma questão de escolha: você quer ativos tangíveis ou ativos financeiros?

Comprei Bitcoins pela primeira vez em 2019 e os mantive sob minha propriedade até janeiro deste ano. Foi uma época muito boa para possuir o Bitcoin como reserva de valor. Mas este ano me interessei pela financeirização, e comprei um pequeno portfólio de altcoins, cada uma com propriedades diferentes, como uma aposta na classe de ativos cada vez mais complexa. Eu também possuo ouro. Claro, há períodos em que a financeirização é revertida e os ativos tangíveis desempenham um papel mais importante, como quando a inflação alta é acionada e as moedas são desvalorizadas. Mas o que os investidores em ouro e Bitcoin parecem não perceber é que esta é uma aposta implícita no progresso humano no sentido contrário, o que não acontece com frequência.

PUBLICIDADE

Tem sido um pouco turbulento ultimamente, mas as moedas digitais estão aqui para ficar, e o progresso delas deve repetir a história dos ativos financeiros, exceto em períodos muito curtos de tempo.

Jared Dillian é editor do The Daily Dirtnap, estrategista de investimentos na Mauldin Economics, e autor de “Street Freak” e “All the Evil of This World.” Ele pode ter conflito de interesses nas áreas em que faz cobertura.

Os editoriais são escritos pela diretoria editorial da Bloomberg Opinion

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Marcelle Castro

Marcelle Castro

Localization Specialist na Bloomberg Línea. Tradutora brasileira formada pela Universidade de Brasília com mestrado em Estudos da Linguagem pela PUC-Rio e em Estudos Interculturais pela Universitat Rovira i Virgili. Tem 20 anos de experiência como tradutora e intérprete de conferências.