PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA e União Europeia discutem abordagem contra China

Diálogo entre autoridades nesta quinta-feira deve incluir economia, direitos humanos e clima

Crescente imposição do gigante asiático obriga autoridades a juntar forças em negociações
Por Peter Martin
02 de Dezembro, 2021 | 02:54 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As autoridades dos Estados Unidos e da União Europeia discutirão uma abordagem conjunta contra uma China cada vez mais assertiva durante um diálogo de alto nível na quinta-feira (2), afirmando que entrar em um comum acordo quanto a assuntos fundamentais dificulta muito para Pequim ignorar essas questões.

A vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, e o secretário-geral do Serviço Europeu de Ação Externa, Stefano Sannino, se reunirão em Washington para copresidir a segunda sessão do Diálogo entre os EUA e a UE com a China.

Os assuntos discutidos incluirão economia e tecnologia, direitos humanos, segurança e desinformação e Taiwan, segundo duas autoridades sênior do Departamento de Estado dos EUA que informaram os jornalistas sob anonimato. As negociações também abordarão possíveis áreas de cooperação com a China, incluindo segurança energética e clima, segundo essas autoridades.

Uma crença importante subjacente ao diálogo é que será muito mais difícil a China ignorar o peso combinado dos EUA e da UE que a pressão apenas dos EUA, disse uma das autoridades.

PUBLICIDADE

Em uma coletiva de imprensa regular em Pequim na quinta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, solicitou que “as partes relevantes abandonem sua mentalidade de guerra fria” e, em vez disso, “injetem mais estabilidade e energia positiva no mundo”.

“Traçar limites ideológicos ou buscar camaradagem não beneficia a paz e a estabilidade mundial”, disse. “É prejudicial para todo mundo”.

--Com assistência de Philip Glamann.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Pandemia expande comércio EUA-China, diz CEO da DHL Express

Pessoas e ideias que definiram negócios globais em 2021, segundo a Bloomberg

Por que os alimentos continuarão caros em 2022?