Saúde

Vacinar o mundo inteiro custaria US$ 50 bilhões

Economista-chefe da OCDE, Laurence Boone, diz que vacinar mais pessoas é a prioridade na recuperação

Soma da OCDE é menor do que os US$ 10 trilhões que G-20 países gastou para mitigar o impacto econômico da Covid-19
Por William Horobin
01 de Dezembro, 2021 | 08:55 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O surgimento de uma nova variante do coronavírus aumenta a incerteza que já pesa sobre o panorama econômico global e destaca as deficiências da vacinação, de acordo com o economista-chefe da OCDE, Laurence Boone.

Embora a organização com sede em Paris não tenha considerado diretamente o omicron em sua nova perspectiva, publicada na quarta-feira (1), ela enfatizou os riscos contínuos de pandemia e instou os governos a abordar as baixas taxas de inoculação em algumas regiões para não criar “criadouros para cepas mais mortais”.

Países de baixa renda estão ficando para trás na vacinação: doses aplicadas a cada 100 pessoa

Doses aplicadas a cada 100 pessoadfd

“Estamos preocupados com o fato de que a cepa omicron está aumentando ainda mais os altos níveis de incerteza e riscos e que isso pode ser uma ameaça à recuperação”, disse Boone em uma apresentação do relatório da OCDE em Paris.

PUBLICIDADE

Vacinar mais pessoas “continua a ser a prioridade mais importante para acabar com a pandemia e também para combater os desequilíbrios que estão afetando a recuperação”.

Veja mais: Bancos centrais devem ficar calmos diante da inflação, diz OCDE

Boone disse que custaria US$ 50 bilhões para vacinar o mundo todo - uma soma muito menor do que os US$ 10 trilhões que G-20 países gastou para mitigar o impacto econômico da Covid-19.

Além de restrições mais rígidas a vírus, incluindo novos lockdowns em algumas partes, os países-membros da OCDE lutam contra a inflação crescente e atrasos nas cadeias de abastecimento globais que estão famintas de fábricas de componentes.

PUBLICIDADE

Leia também

Mercados sobem com aceno de Powell de que controle da inflação é uma prioridade

Petróleo dispara antes da reunião da cúpula da OPEP+

PUBLICIDADE