Mercados

S&P 500 tem pior ‘sell-off’ de dois dias desde outubro de 2020

Primeiro caso de ômicron nos EUA e comentários do Powell também reforçaram o pessimismo

S&P tem pior sell-off em mais de um ano
Por Rita Nazareth
01 de Dezembro, 2021 | 06:25 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os mercados acionários sofreram seu pior “sell-off” de dois dias desde outubro de 2020, com os investidores avaliando os últimos desenvolvimentos em relação à disseminação da variante ômicron do coronavírus e os EUA confirmando seu primeiro caso na Califórnia.

O S&P 500 apagou os ganhos depois de se recuperar quase 2% na quarta-feira, em meio a um forte volume de negociações. O Nasdaq 100, referência de alta tecnologia, teve desempenho inferior aos principais benchmarks, com gigantes como Tesla Inc. e Meta Platforms Inc. caindo. Ações de pequenas empresas, companhias aéreas, operadoras de cruzeiros e hotéis também despencaram.

A África do Sul informou que os casos de Covid-19 quase dobraram desde terça-feira, com a nova cepa surgindo no Reino Unido, Suíça e Brasil. O cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde observou que as vacinas provavelmente protegerão contra casos graves da variante.

Os traders também avaliaram os comentários do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que reforçou sua mensagem de que o banco central manteria a inflação sob controle e que as autoridades deveriam considerar acelerar a retirada do apoio.

PUBLICIDADE

“Risco de ‘shutdown’ é o principal motivo, mas há mais em jogo”, escreveu Adam Crisafulli, o fundador da Vital Knowledge. “O rali desta manhã nunca teve muita convicção por trás dele, e os investidores ainda estão tentando classificar não apenas o ômicron, mas também a nova posição do Fed.”

A economia cresceu a um ritmo modesto até meados de novembro, enquanto os aumentos de preços foram generalizados em meio a interrupções na cadeia de suprimentos e escassez de mão de obra, disse o Fed em seu Livro Bege. A confiança entre CEOs de grandes EUA saltaram para um nível mais alto, uma medida do setor industrial subiu em novembro, enquanto novos dados do mercado de trabalho sugerem que os empregadores continuaram sem preencher um número quase recorde de vagas em aberto.

Alguns destaques corporativos:

  • As ações da Moderna Inc. afundaram depois de perder um recurso de uma decisão sobre patente envolvendo a tecnologia de entrega de medicamentos de um concorrente, o que poderia tornar sua vacina contra Covid-19 vulnerável a processos;
  • As ações da Salesforce.com Inc. despencaram depois que o principal fabricante de software de relacionamento com o cliente baseado em nuvem deu previsões de receita e lucro que ficaram aquém das estimativas;
  • A General Motors Co. espera apurar cerca de US$ 14 bilhões em lucro antes dos impostos este ano, mais do que seu guidance anterior para analistas de Wall Street, disse seu diretor financeiro.

Principais eventos para assistir esta semana:

PUBLICIDADE

OPEP e aliados podem reavaliar planos para retomar o abastecimento de petróleo, quinta-feira;

Pedidos iniciais de seguro-desemprego dos EUA, quinta-feira;

Relatório de emprego nos EUA, encomendas da indústria e bens duráveis, na sexta-feira;

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

Bolsas

  • O S&P 500 fechou com queda de 1,2%;
  • O Nasdaq 100 caiu 1,6%;
  • O Dow Jones Industrial caiu 1,3%;
  • O índice MSCI World caiu 0,3%;
  • O índice Russell 2000 caiu 2,3%;

Moedas

  • O índice Bloomberg Dollar Spot subiu 0,1%;
  • O euro caiu 0,2% para US$ 1,1312;
  • A libra esterlina caiu 0,3% para US$ 1,3264;
  • O iene japonês subiu 0,3% para 112,81 por dólar

Títulos

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos caiu três pontos-base para 1,42%;
  • O rendimento de 10 anos da Alemanha pouco mudou em -0,34%;
  • O rendimento de 10 anos da Grã-Bretanha avançou um ponto-base para 0,82%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate caiu 1,5%, para US$ 65,17 o barril
  • Os futuros do ouro subiram 0,2% para US $ 1.780,50 a onça;

-- Com assistência de Andreea Papuc, Robert Brand, Emily Graffeo, Vildana Hajric e Lu Wang.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE