PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Jerome Powell: Ômicron adiciona riscos e incertezas sobre inflação

Presidente do Fed não discutiu ações específicas de política monetária ou mudança no ritmo da redução de compras de ativos

Powell admite aumento de incertezas com variante ômicron
Por Craig Torres
29 de Novembro, 2021 | 07:26 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em seus primeiros comentários públicos sobre a variante ômicron do coronavírus, disse que ela representa riscos para ambos os lados em relação ao mandato do banco central para atingir preços estáveis e emprego máximo.

“O recente aumento nos casos de Covid-19 e o surgimento da variante ômicron representam riscos negativos para o emprego e a atividade econômica, e aumentam a incerteza para a inflação”, disse Powell em depoimento preparado na segunda-feira, um dia antes de sua apresentação no Comitê Bancário do Senado.

PUBLICIDADE

“Uma preocupação maior com o vírus poderia reduzir a disposição das pessoas para trabalhar pessoalmente, o que desaceleraria o progresso no mercado de trabalho e intensificaria as interrupções na cadeia de suprimentos”.

Powell, no texto relativamente breve, não discutiu ações específicas de política monetária ou a possibilidade de mudar o ritmo da redução gradual de suas compras de ativos - uma questão-chave que outros membros do Fed sinalizaram em comentários recentes.

Powell - que há uma semana foi escolhido pelo presidente Joe Biden para um segundo mandato como chefe do banco central - comparecerá ao painel nesta terça-feira, às 10h, junto com a secretária do Tesouro, Janet Yellen, no primeiro dos dois dias de audiências de supervisão do Congresso relacionadas ao estímulo pandêmico. O Comitê de Serviços Financeiros da Câmara seguirá com uma audiência separada na quarta-feira.

PUBLICIDADE

Os banqueiros centrais dos EUA estão lutando com novas incertezas sobre a economia após a descoberta da nova variante da Covid-19. Governos em todo o mundo aumentaram as restrições às viagens e a Organização Mundial de Saúde alertou que a cepa ômicron poderia alimentar um novo surto de infecções.

Apesar do forte crescimento do emprego este ano, “ainda há terreno a cobrir para alcançar o máximo de emprego tanto para o emprego quanto para a participação na força de trabalho, e esperamos que o progresso continue”, disse Powell, acrescentando que o desemprego continua a cair “desproporcionalmente” entre negros e hispânicos .

Avanço da economia

Mesmo em meio aos desafios impostos pela pandemia, a economia dos EUA está avançando. Os economistas do JPMorgan Chase & Co. elevaram sua estimativa de crescimento anualizado de 5% para 7% nos últimos três meses do ano. O boom alimentou a alta inflação, com os preços ao consumidor em outubro subindo pelo ritmo mais rápido em 30 anos.

“A maioria dos analistas, incluindo o Fed, continua esperando que a inflação caia significativamente no próximo ano, à medida que os desequilíbrios de oferta e demanda diminuam”, disse Powell. “É difícil prever a persistência e os efeitos das restrições de oferta, mas agora parece que os fatores que empurram a inflação para cima permanecerão no próximo ano.”

PUBLICIDADE

Dirigentes do Fed nas últimas semanas discutiram a possibilidade de acelerar o ritmo em que reduzem as compras mensais de ativos do banco central, o que lhes daria a opção de aumentar as taxas de juros mais cedo do que no próximo ano, se necessário para manter as pressões sobre os preços sob controle.

“Estou muito aberto para acelerar o ritmo de nossa desaceleração nas compras”, disse ao Fox News o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, membro votante no Comitê Federal de Mercado Aberto. A presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, que também vota no comitê e tem sido uma voz dovish nas políticas, disse ao Yahoo! Finance no início da semana passada que aceitaria um ritmo mais rápido de redução se a inflação continuasse alta demais. A entrevista de Daly foi conduzida antes que a notícia do ômicron estourasse.

PUBLICIDADE

As autoridades do Fed analisarão os relatórios sobre o CPI e o emprego de novembro, antes de sua reunião final do ano, em 14 a 15 de dezembro.

Veja mais em bloomberg.com