promo
Mercados

Ibovespa dispara impulsionado por Petrobras

Feriado nos EUA não impediu ganhos; mercados locais também digerem dados do IPCA

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — Dando continuidade a tendência observada na abertura, o Ibovespa opera em alta na tarde desta quinta-feira (25), impulsionado pelos ganhos das ações da Petrobras (PETR4). Já o dólar cai, com a baixa liquidez devido ao feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, afetando os negócios. As taxas dos DI caem, digerindo os dados do IPCA divulgados pela manhã.

  • A bolsa brasileira sobe mais de 1%, ficando acima dos 106.000 pontos. Já o câmbio permanece abaixo dos R$ 5,60.

Ontem, a Petrobras anunciou a ampliação de seu plano de investimentos para US$ 68 bilhões entre 2022 e 2026. O volume supera o plano estratégico anterior, divulgado no ano passado, que previa investimentos da ordem de US$ 55 bilhões no período entre 2021 e 2025.

A empresa também prevê desinvestimentos, com venda de ativos não-estratégicos, de US$ 15 bilhões a US$ 25 bilhões até 2026.

Mais cedo, o IPCA-15, prévia da inflação oficial, teve alta de 1,17% em novembro, a maior variação para o mês desde 2002, quando o índice foi de 2,08%. Registro veio acima da estimativa Bloomberg, que esperava alta de 1,13%, ante avanço anterior de 1,20%. No ano, o indicador acumula alta de 9,57% e, em 12 meses, de 10,73%, acima dos 10,34% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2020, a taxa havia sido de 0,81%.

Mercado agora

  • Câmbio: Perto das 14h15, o dólar operava em queda de 0,73% a R$ 5,56;
  • Bolsa: O Ibovespa subia 1,53%, a 106.112 pontos;
    • Entre as maiores altas percentuais estavam Banco Pan (BPAN4), CVC Brasil (CVCB3) e Banco Inter (BIDI4). Nas maiores perdas: Notre Dame Intermédica (GNDI3), Marfrig (MRFG3) e Natura & Co (NTCO3)
  • Juros: O DI com vencimento para janeiro de 2025 recuava de 11,84% para 11,79% enquanto o de 2027 ia de 11,73% para 11,69%;

-- Com informações de Bloomberg News

Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.